TC devolveu processos da municipalização da STCP

Tribunal de Contas teve dúvidas quanto ao processo transferência da gestão para os municípios do Porto, Matosinhos, Maia, Gondomar, Valongo e Vila Nova de Gaia

O Tribunal de Contas (TdC) devolveu, por dúvidas, os processos relativos à transferência da gestão da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) para os seis municípios onde opera, disse hoje à Lusa fonte do tribunal.

Em resposta à Lusa, fonte oficial do TdC afirmou que os processos da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) foram devolvidos no dia 13, encontrando-se assim suspenso o prazo para a fiscalização dos mesmos.

A Área Metropolitana do Porto entregou no dia 23 de fevereiro no TdC o contrato para a transferência da gestão da STCP para os municípios do Porto, Matosinhos, Maia, Gondomar, Valongo e Vila Nova de Gaia.

Contactado pela Lusa, Avelino Oliveira, da comissão executiva da AMP, afirmou que a devolução dos processos foi feita quer à AMP como às autarquias.

A AMP espera agora até ao final do mês reunir o conjunto de esclarecimentos pedidos para tornar a entregar o processo no TdC, acrescentou Avelino Oliveira.

A validação do processo por parte do TdC é o último passo para a efetivação da transferência da gestão da empresa de transporte público para os municípios onde opera, que esteve prevista para o início do ano.

O Conselho de Ministros aprovou em 29 de setembro o novo modelo de gestão da STCP, que passa a ser assegurada, por um período máximo de sete anos, pelas seis autarquias, mantendo-se a empresa na esfera do Estado.

O processo implicou que cada um dos seis municípios aprovasse, em reunião de câmara e nas assembleias municipais, o contrato de delegação de competências do Estado e outros documentos.

Só após o visto do TdC poderá ser convocada uma assembleia-geral da STCP e feita a nomeação dos novos administradores da empresa, sendo que o autarca do Porto, Rui Moreira, já anunciou ter escolhido Paulo Azevedo para o cargo de presidente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.