Vocês estão "habituados a roubar". Injúria dá multa de 960 euros e indemnização de 1500

Tribunal condenou homem que já tinha perseguido presidente do Sp. de Braga com um camião em que se lia "paga o que deves".

O Tribunal Judicial de Braga condenou hoje a 960 euros de multa um empreiteiro acusado de injuriar um empresário e ofender a respetiva empresa, por, num telefonema, ter alegadamente dito que estariam "habituados a roubar".

O arguido foi ainda condenado a pagar uma indemnização de 1500 euros.

Trata-se do empreiteiro Domingos Correia, conhecido localmente como o dono do "camião do fraque", por ter "perseguido" o presidente do Sporting Clube de Braga, António Salvador, com um veículo pesado em que se lia "paga o que deves".

Uma "perseguição" que terminou em outubro de 2015, na sequência de uma providência cautelar interposta pelo clube e que o tribunal deferiu, proibindo o empreiteiro de se referir publicamente ao Sporting de Braga e ao seu presidente, através da televisão, rádio, internet, colocação de cartazes estáticos ou em veículos automóveis ou de qualquer outra natureza.

O caso hoje sentenciado remonta a 26 de novembro de 2015, quando Domingos Correia telefonou ao dono da metalomecânica "O Feliz", devido a um diferendo relacionado com a construção de um pórtico em Vila Franca de Xira.

Nesse telefonema, e segundo o tribunal, Domingos Correia terá dito a António Feliz: "vós estais habituados a roubar".

Uma frase que, no julgamento, o arguido negou ter proferido.

No entanto, a juíza titular do processo alinhou pela versão do queixoso, sublinhando que o mesmo "não tem qualquer outro interesse que não seja defender a sua honra e a honra da sociedade.

António Feliz disse, em julgamento, que o dinheiro da indemnização seria doado a uma instituição de solidariedade social.

Antes do julgamento, a juíza tentou um acordo entre as partes, que passaria por um pedido de desculpas, mas o arguido não aceitou, alegando que não tinha de pedir desculpas por algo que não dissera.

Acabou condenado por um crime de injúrias e um crime de ofensa a pessoa coletiva a 120 dias de multa à taxa diária de oito euros, num total de 960 euros.

Arguido e vítima mantinham "há muito" uma relação de amizade, que acabou com o telefonema em causa neste processo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.