Tribunal da Concorrência condena farmácias em sete milhões

A Autoridade da Concorrência tinha condenado a Associação Nacional de Farmácias a coimas de 10,34 milhões de euros por abuso de posição dominante

O Tribunal da Concorrência confirmou a decisão da Autoridade da Concorrência, que em dezembro havia condenado a Associação Nacional de Farmácias (ANF) e três sociedades do mesmo grupo por abuso de posição dominante no mercado de estudos para laboratórios. No entanto, reduziu a coima de 10,34 milhões de euros para 6,89 milhões, avançaram a TSF e o Público.

Na sentença do recurso apresentado pela Associação Nacional de Farmácias (ANF) e três sociedades do mesmo grupo (Farminveste SGPS, Farminveste -- Investimentos, Participações e Gestão e HMR -- Health Market Research) às contraordenações aplicadas em dezembro último pela AdC, a juíza Marta Campos considerou provada a prática de uma compressão de margens no mercado de estudos para laboratórios farmacêuticos, com efeitos anti concorrenciais, por parte das arguidas, em violação da legislação nacional e comunitária.

O Tribunal decidiu baixar a coima dos 30% do volume de negócios aplicado pela AdC para os 20%, de que resultou para a ANF uma coima de 409.741 euros (contra os 635.000 de que vinha condenada), para a Farminvest SGPS 6.082.704 euros (contra os 9 milhões e 80 mil euros), para a Farminvest IPG 233.530 euros (contra os 360.000) e para a HMR 171.767 euros (contra os 265.000).

Paulo Duarte, presidente da ANF, disse à Lusa que a associação vai recorrer de uma decisão que considera "injusta", lamentando que tenha havido penalização por fazerem concorrência a uma multinacional norte-americana que detém quase 100% da quota de mercado.

"Não pode haver uma justiça para os mais fracos e outra para os mais fortes num mercado onde praticamente não há concorrência", afirmou, frisando que em causa estão "questões comerciais sem impacto na população".

O processo teve origem numa denúncia dirigida à AdC em junho de 2009 pela IMS Health, multinacional de consultoria e estudos de mercado.

Segundo o processo, consultado pela Lusa, a IMS queixava-se do incumprimento do acordo de fornecimento de dados celebrado com a ANF e da posterior criação, por esta, de uma empresa (a HMR) alegadamente destinada a substituir os seus serviços, considerando estar-se perante uma prática abusiva de posição dominante, por a ANF deter a quota esmagadora dos dados relativos às vendas das farmácias em Portugal.

A AdC remeteu para mais tarde um comunicado sobre a sentença hoje proferida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.