Três detidos e 1400 quilos de droga apreendidos em embarcação a sul do Faial

Barco de recreio, que transportava cocaína, tinha como destino o continente europeu, informou a Polícia Judiciária

Três pessoas foram detidas e 1.400 quilos de cocaína foram apreendidos numa embarcação de recreio a sul da ilha do Faial, grupo Central dos Açores, que tinha como destino o continente europeu, anunciou esta terça-feira a Polícia Judiciária (PJ).

Em comunicado, a PJ adianta que em colaboração com a Marinha e a Força Aérea, desencadeou nos últimos dias uma operação de combate ao tráfico ilícito de estupefacientes por via marítima (Operação Mar Azul) da qual resultou a interceção, em pleno Oceano Atlântico, a sul da Ilha do Faial, de uma embarcação de recreio que estava a ser utilizada no transporte de cocaína.

"A bordo da embarcação seguiam três homens de nacionalidade estrangeira que foram detidos e que de acordo com os elementos probatórios até agora coligidos pela investigação integram uma organização criminosa de dimensão transnacional implantada em diferentes países do continente europeu e da América Latina", explica a PJ.

A polícia criminal adianta que a droga apreendida estava a ser transportada das Caraíbas para o continente europeu para ser distribuída por diferentes países.

De acordo com a PJ, a droga, com um peso total aproximado de 1.400 quilos, "vinha acondicionada em compartimentos criados para o efeito na estrutura da embarcação sob os depósitos de combustível, que apenas foram localizados depois de minucioso e intenso trabalho das equipas da Polícia Judiciária que foram apoiadas por elementos da Polícia Marítima e da GNR".

Os detidos, com idades entre os 38 e os 51 anos de idade, foram presentes a primeiro interrogatório judicial tendo-lhes sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

A operação resulta de uma investigação iniciada recentemente pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária na sequência de profícua troca de informações com a National Crime Agency do Reino Unido no quadro do Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics (MAOC-N), organismo internacional com sede em Lisboa.

A investigação prossegue a cargo da PJ em cooperação com as autoridades de outros países, designadamente do Reino Unido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?