Três aterragens por emergência médica no mesmo dia na base das Lajes

Só na segunda-feira, três aviões pararam nas Lajes devido a situações de urgência, três em menos de 12 horas

Três aviões com emergências médicas a bordo aterraram, em menos de 12 horas, na base das Lajes, na ilha Terceira, na segunda-feira, confirmaram à agência Lusa fontes da Proteção Civil dos Açores e da Força Aérea Portuguesa.

A primeira aeronave, da Orbest, fazia a ligação entre Havana e Madrid, tendo aterrado às 9:57 locais, mais uma que em Lisboa.

Segundo fonte oficial do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, um passageiro de 57 anos sentiu-se mal a bordo, aparentemente com uma baixa de açúcar, tendo sido encaminhado para o Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira para observação.

Ao início da tarde, às 13:54, outra emergência médica obrigou um avião da Air France, que fazia a ligação entre Paris e Pointe-a-Pitre (Guadalupe, Caraíbas), a aterrar nas Lajes.

Neste caso, um homem de 53 anos queixava-se de dores no peito e foi transportado para o Hospital da Ilha Terceira, com um enfarte agudo de miocárdio.

Os meios de socorro voltaram a ser acionados às 19:31, com a aterragem de um avião da TAP, que se deslocava de Lisboa para Nova Iorque.

Um passageiro de 71 anos, com uma hemorragia nasal, foi auxiliado ainda dentro do avião por dois médicos que estavam a bordo, tendo sido igualmente transportado para o Hospital da Ilha Terceira.

Segundo fonte oficial da Força Aérea Portuguesa, os passageiros foram assistidos no local por uma equipa médica militar, pelos Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória e por elementos do Suporte Imediato de Vida (SIV).

Já no dia anterior, domingo, tinha aterrado, de madrugada, na base das Lajes um avião da Royal Air Maroc, devido a uma emergência médica.

Um homem de 84 anos, que estava inconsciente e com o pulso fraco, acabou por falecer no local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.