"Traficantes" vendem louro prensado em vez de haxixe na baixa lisboeta

A posse e venda de louro prensado, não sendo considerado um produto estupefaciente, não consubstancia crime e não permite a atuação da PSP.

Quem percorre as ruas da baixa lisboeta não fica indiferente à abordagem de algumas pessoas, aparentemente traficantes de droga a tentar vender haxixe. Mas afinal o haxixe é louro prensado, como esclareceu à Lusa a PSP.

Segundo fonte do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, "uma parte dos produtos vendidos na baixa de Lisboa como sendo haxixe, não é haxixe. É louro prensado e não consubstancia uma prática criminal", pelo que a PSP não tem legitimidade para proceder a detenções, embora reconheça que tem influência no sentimento de segurança local.

Na Rua Augusta, uma das mais movimentadas artérias da cidade de Lisboa, a Lusa falou com alguns comerciantes, que não quiseram ser identificados com receio de sofrer represálias, mas que revelaram que este "é um problema que se arrasta há cerca de três, quatro anos".

Atualmente, os presumíveis traficantes "estão cada vez mais descarados, seguem os turistas forçando-os a comprar o que dizem ser droga", contou um dos comerciantes.

Para os lojistas da baixa de Lisboa, este fenómeno cria "uma imagem negativa da cidade, que prejudica o comércio local", pelo que criticam o facto de a lei não ser austera o suficiente para reprimir estes casos.

A rede de "falsos traficantes de droga" aborda todo o tipo de pessoas, especialmente turistas, tentando vender o que dizem ser uma 'bolota de haxixe' por 70 euros, valor que pode ser regateado, como testemunhou a Lusa no local.

A posse e venda de louro prensado, não sendo considerado um produto estupefaciente, "não consubstancia crime e não permite uma atuação da PSP semelhante ao que acontece no tráfico de droga", explicou a mesma fonte da polícia.

Questionada sobre se existem queixas de moradores, comerciantes ou turistas relacionadas com este fenómeno, a PSP afirmou que existem "algumas queixas, na sua grande maioria não por tráfico de estupefacientes, mas sim pela venda do louro prensado".

De acordo com o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, "o volume de tráfico de estupefacientes naquela zona não assume níveis anormais", considerando que não tem havido um aumento.

No entanto, reforçou, "o tráfico continuará e, numa zona de grande fluxo de turistas, esta atividade pode tornar-se mais rentável".

Em 2014, a PSP registou 658 casos relacionados com tráfico de estupefacientes na zona da baixa de Lisboa, identificando 457 pessoas. Em 2013, foram contabilizados 1.003, identificando 622 pessoas.

"Todos os autos integrados na venda ambulante são enviados para a ASAE", explicou a PSP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.