Trabalhadores portugueses na Irlanda acusam construtoras lusas de dívidas

Empresas portuguesas foram contratadas para construir uma autoestrada na Irlanda e recrutaram trabalhadores em Portugal

Os trabalhadores de três construtoras portuguesas condenadas pela justiça irlandesa a pagar indemnizações no valor de centenas de milhares de euros admitem recorrer a meios europeus para cobrar as dívidas, adiantou o seu advogado.

Tom O' Reagan afirmou que pretende converter as sentenças em Títulos Executivos Europeus para recuperar o montante que falta pagar pelas empresas, que deixaram de operar na Irlanda e estão estabelecidas em Portugal.

O advogado está a representar cerca de 50 antigos trabalhadores das empresas Amândio Carvalho SA, Rosas Construtores SA e Gabriel Couto SA.

As três empresas formavam o consórcio Rac Eire Partnership, que foram contratadas para construir uma autoestrada na Irlanda entre 2007 e 2009, e já tinham sido condenadas em março de 2016 pelo Tribunal Superior [High Court] a pagar indemnizações a um grupo de 27 trabalhadores portugueses, decisão confirmada em outubro pelo Tribunal de Recurso.

Os trabalhadores, que foram recrutados em Portugal, viram provado que as empresas não registavam todas as horas que trabalhavam e que o valor estava abaixo do previamente acordado, além de descontarem automaticamente um serviço de lavandaria e para alojamento considerado inadequado.

Na quinta-feira começou no Tribunal Superior de Dublin um segundo caso iniciado por um grupo de 23 antigos trabalhadores portugueses, cujas indemnizações poderão chegar a um milhão de euros.

Os seus testemunhos serão também levados em conta para ser definido o montante relativa à parcela relacionada com o alojamento do primeiro caso, que os juízes consideraram inadequados relativamente ao valor que era descontado nos salários dos funcionários.

De acordo com as descrições feitas em tribunal e relatadas pela imprensa irlandesa, os trabalhadores foram instalados em módulos pré-fabricados, onde dormiam entre seis a oito pessoas por quarto.

Além do mau funcionamento das instalações sanitárias, as águas residuais acumulavam-se no exterior, juntamente com os sacos de lixo que eram recolhidos pouco frequentemente.

Até ao momento, adiantou O'Reagan à agência Lusa, já foram pagos perto de 558 mil euros, mas estão por pagar quase cerca de 293 mil euros.

A agência Lusa pediu esclarecimentos às três empresas sobre esta situação, bem como o resultado dos processos, mas não obteve resposta.

As construtoras estão atualmente a ser julgadas à revelia por não terem nomeado advogados para os representarem em tribunal.

O advogado justificou que o recurso a Títulos Executivos Europeus, um instrumento que reconhece e executa automaticamente créditos por pagar noutro país da UE, permitirá à justiça portuguesa executar as dívidas.

"Em alternativa, se existirem fundos a pagamento aos réus por terceiros, poderemos tentar anexar os Títulos Executivos Europeus aos montantes devidos aos réus", acrescentou.

Esta opção poderá aplicar-se à empresa Gabriel A.S. Couto, que tem um projeto nas Honduras financiado pelo Banco de Investimento Europeu, e ao qual O'Connor escreveu pedindo que exerça pressão sobre a dívida seja paga.

"O banco opera segundo princípios muito elevados e, obviamente, não vai querer estar envolvido com um parceiro num projeto de financiamento quando existem sérias dúvidas sobre como é que este parceiro conduz os seus negócios ou está em causa a ilegalidade por um dos parceiros", vincou.

O advogado disse que já usou com sucesso os procedimento europeus para recuperar 125 mil euros confiscados das contas bancárias das empresas portuguesas para cobrir parte das custas judiciais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)