Torre de Belém junta-se ao resto do mundo e veste as cores francesas

Homenagem às vítimas do atentado terrorista teve lugar às 18.30 horas. Castelo dos Mouros, em Sintra, e o Teatro Rivoli, no Porto, também vestiram as cores francesas

A Torre de Belém foi iluminada este fim de tarde com as cores da bandeira francesa, em sinal de solidariedade para com as vítimas dos atentados em França. Às 18.30 o monumento nacional vestiu-se de azul, branco e vermelho, numa cerimónia em que estiveram presentes o presidente da câmara Fernando Medina e Jean-François Blarel, o embaixador francês.

"A Câmara Municipal de Lisboa convida todos os lisboetas a associarem-se a esta homenagem às vítimas, repudiando todas as formas de terrorismo", apelou autarquia em comunicado.

"A melhor forma de nos batermos e lutarmos contra o extremismo e radicalismo é não abdicarmos dos valores fundamentais da civilização ocidental. É também por isso que aqui está Abdul Vakil, para mostrar que o nosso grande valor é o da liberdade, democracia e tolerância e se, em algum momento, nesta batalha contra o extremismo, adbicarmos destes valores, então é porque os nossos inimigos ganharam esta guerra", afirmou o presidente da autarquia, Fernando Medina, em frente à Torre de Belém, quando as luzes se acenderam.

"É de lamentar o que está a acontecer. Sempre disse, e continuo a dizer, que isto que eles proclamam de Estado Islâmico não é estado islâmico nenhum, nem é Islão. O Islão prega solidariedade e ser amigo do outro", afirmou Abdul Vakil, representante da comunidade islâmica em Portugal.

"Eles não são muçulmanos nenhuns, eles dizem-se muçulmanos e fazem coisas que são contrárias ao islão. Islão é amor ao outro. Deus queira que não haja nenhum ataque. Que Deus nos salve disso e salve todos os portugueses dessas ameaças", concluiu.

Também o embaixador de França em Portugal, Jean-François Blarel, assistiu à iniciativa e considerou "muito importantes" todas as formas de solidariedade e a "determinação comum de lutar contra este terrorismo cego".

"Mais uma vez, França foi atacada no seu coração, desta vez de maneira diferente do que em janeiro. Diretamente visando o povo. Antes eram alvos particulares. Desta vez, os terroristas queriam atacar diretamente o povo francês, na sua diversidade", lamentou.

A ministra da Cultura, da Igualdade e Cidadania, Teresa Morais, esteve também presente na cerimónia, e afirmou que o Governo está a acompanhar, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros, a situação dos portugueses residentes em Paris que possam eventualmente ter sido afetados.

"Esta é uma homenagem simbólica junto a um grande monumento nacional, é um símbolo de Portugal e dos portugueses. Portugal é um país de gente solidária e humanista, que se quer associar às homenagens e lamentar este terrorismo bárbaro", acrescentou.

Hoje à noite, a Câmara Municipal de Sintra anunciou que o "Castelo dos Mouros e os Paços do Concelho vão estar durante uma semana iluminados de azul, branco e vermelho, cores da bandeira francesa", numa "demonstração de solidariedade com França, e de homenagem às vítimas" do ataque, em articulação com a Parques de Sintra Monte da Lua.

O Teatro Rivoli, no Porto, foi hoje também iluminado de azul, branco e vermelho, numa iniciativa da autarquia.

Portugal junta-se assim aos países que prestaram homenagem às vítimas do atentando de Paris de sexta-feira, que causou a morte de 127 pessoas e 180 feridos.

Na sequência dos atentados terroristas de sexta-feira, em Paris, vários edifícios foram iluminados com as cores da bandeira francesa, como o One World Trade Center, em Manhattan, a torre de Toronto, no Canadá, o Estádio de Wembley, em Londres, e a Ópera de Sydney, na Austrália.

O Empire State Building, em Nova Iorque, por sua vez, está de luzes apagadas, desde as 22:00 locais de sexta-feira, pelas vítimas dos atentados na capital francesa.

A orquestra e o coro da Metropolitan Opera, em Nova Iorque, sob a direção de Placido Domingo, antecederam a récita desta noite da "Tosca", de Puccini, com a interpretação d'"A Marselhesa", na versão original, numa homenagem às vítimas dos ataques, a que se juntou o público presente, segundo as agência internacionais.

O grupo extremista Estado Islâmico reivindicou hoje, em comunicado, os atentados de sexta-feira em Paris, que causaram pelo menos 129 mortos, entre os quais dois portugueses, e 352 feridos, 99 em estado grave.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o Stade de France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.