José Cid, Mariza e Anselmo Ralph cantam na tomada de posse de Marcelo

Tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa dura 12 horas, com iniciativas entre as 9.00 e as 21.00

O dia da posse do futuro Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, começará às 09:00 no parlamento e terminará cerca de 12 horas depois com um concerto para jovens, com o hino nacional cantado pela fadista Mariza.

De acordo com a agenda provisória do Presidente eleito disponibilizada à agência Lusa, serão seis os momentos previstos para o dia 09 de março, data em que tradicionalmente os chefes de Estado são empossados perante a Assembleia da República.

Numa cerimónia que será idêntica à de há dez anos -- quando Cavaco Silva substituiu Jorge Sampaio -, prevê-se que o Presidente da República cessante faça a sua última revista às tropas, e intervenções do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, e de Marcelo Rebelo de Sousa, já depois da cerimónia de juramento, que o tornará o 19.º Presidente da República Portuguesa.

Hoje mesmo, o gabinete do Presidente da Assembleia da República divulgou pormenores da cerimónia, prevendo-se que as chegadas dos convidados e figuras estatais comecem cerca das 09:00, e o primeiro-ministro, António Costa, pelas 09:30. Já o chefe de Estado eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, é esperado cinco minutos depois, e Cavaco Silva, ainda chefe de Estado, chegará pelas 09:45.

No parlamento, e depois da cerimónia de posse, está ainda prevista uma sessão de cumprimentos que, apesar de a lista de convidados ainda não ter sido divulgada, deverá ser mais curta que a de Cavaco Silva há uma década, que integrou cerca de 900 personalidades.

Do Palácio de São Bento, Marcelo Rebelo de Sousa seguirá para os Jerónimos onde fará a tradicional deposição de flores no túmulo de Luís de Camões e, como novidade, também no túmulo de Vasco da Gama.

O novo Presidente da República entrará, de seguida, pela primeira vez nessa qualidade no Palácio de Belém, onde haverá também um cerimonial de boas vindas. Em Belém, Marcelo terá um almoço com um conjunto de individualidades do país, entre os quais estarão os presidentes dos tribunais superiores.

Segue-se uma celebração ecuménica na Mesquita de Lisboa, que contará com a participação de diversas confissões religiosas.

Por volta das 18:00, realiza-se a também habitual cerimónia no Palácio da Ajuda, onde Marcelo Rebelo de Sousa irá condecorar Cavaco Silva, seguindo-se a sessão de cumprimentos.

O último ponto da agenda do novo chefe de Estado para 09 de março está marcado para as 20:00, na Câmara Municipal de Lisboa, com um concerto dedicado à juventude na Praça do Município, no qual estão previstas as participações de José Cid, Paulo de Carvalho, da fadista Mariza - que cantará o hino nacional - e ainda atuações de Anselmo Ralph, HMB, Pedro Abrunhosa e Diogo Piçarra, vencedor de um concurso televisivo para novos talentos musicais.

No dia seguinte, decorrerá a receção ao corpo diplomático no Palácio da Ajuda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...