Tetos máximos de vencimentos para entidades reguladoras

Partidos podem apresentar propostas até sexta-feira. Há três projetos em debate, mas coordenador espera entendimentos

Os partidos têm até sexta-feira para apresentar propostas para discussão da lei-quadro das entidades reguladoras, onde o Parlamento pretende fixar tetos máximos de vencimentos e períodos de nojo. Ao DN, o deputado Luís Testa, coordenador do grupo de trabalho que está a preparar as alterações à legislação, explicou que esta prorrogação se deve à realização das jornadas parlamentares dos Verdes (ontem e hoje). Para Luís Testa, estes dias podem ser úteis para ajudar a encontrar um entendimento e levar "uma proposta fechada" pelos vários grupos parlamentares.

Para já, o que existe é cada cabeça, sua sentença: são três projetos e três propostas diferentes, na fixação dos vencimentos e no período de inibição por incompatibilidades: o BE propõe um vencimento fixado ao de um ministro, por serem entidades reguladores de atividades de setores, e um período de nojo de seis anos; o CDS aumenta o teto salarial, equiparando-o ao do primeiro-ministro, mas reduz o período de nojo a dois anos; e os Verdes estabelecem como teto máximo os "valores mais elevados da tabela dos vencimentos aplicada aos trabalhadores de cada entidade", acrescidos de 40% a título de despesas de representação, com período de nojo de três anos.

Estes três projetos de lei servem para base da discussão, mas podem existir novas sobre outros números do articulado. A bancada socialista quer mais "eficiência e eficácia" das entidades reguladoras, o que obriga a "mais transparência" e "mais resultados para o exterior", como explicou ao DN o deputado Carlos Pereira, que disse esperar que o debate que se segue "seja uma oportunidade para encontrar maneira de aprofundar as alterações" ao atual quadro legal.

Já Heitor de Sousa, do BE, avisou que há um ponto que poderá acabar por ser debatido em plenário, que é o da extinção das comissões de vencimentos, já que o PEV defende a sua reforma. "Tentar algo remendar algo que não é remendável" não é a solução, apontou."Mas teremos de avaliar em concreto, eventualmente só em plenário."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.