"Temos de lutar pela democracia e recriá-la sem cessar"

O Presidente da república português continua em visita oficial em Espanha, onde elogiou a democracia perante os deputados e senadores das Cortes Gerais espanholas. Os parlamentares pró-independência da Catalunha cantaram "Grândola, Vila Morena"

O Presidente da República afirmou hoje que é preciso lutar pela democracia todos os dias e recriá-la sem cessar, sem ceder um milímetro, num discurso perante os deputados e senadores espanhóis, nas Cortes Gerais de Espanha.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra em visita de Estado a Espanha, fez uma intervenção de doze minutos na Sala do Plenário do parlamento espanhol, em Madrid, dedicada à importância da democracia, palavra que repetiu mais de uma dúzia de vezes.

"Lutar pela democracia é um imperativo de todos os dias. Tal como é um erro acreditar que basta a sua proclamação nas constituições e nas leis ou entender que, uma vez consagrada, é um dado adquirido para sempre. Vós e nós sabemos o que foi viver em ditadura e sonhar com a democracia e construí-la palmo a palmo durante longas caminhadas feitas de esperança e de combate", declarou.

Alternando entre o português e o castelhano, acrescentou: "Não ceder nem um milímetro dessa democracia é recriá-la sem cessar. Temos de recriar permanentemente a nossa democracia, a nossa educação, os nossos sistemas sociais, a nossa economia, a nossa relação e a relação com todos os demais, as nossas instituições, a nossa proximidade com as pessoas".

Segundo o chefe de Estado, isso tem de ser feito "com a cultura e a partir da cultura, porque a cultura é o que permanece quando as conjunturas económicas e políticas se alteram, quando as pessoas se sucedem no permanente fluir do tempo", constitui "a verdadeira diferença entre a democracia e a ditadura".

Cantaram "Grândola, Vila Morena" a Marcelo Rebelo de Sousa

Quando terminou a sua intervenção, o Presidente da República foi surpreendido por um gesto simbólico de parlamentares pró-independência da Catalunha, que, com cravos amarelos ao peito, em sinal de apoio aos políticos catalães presos, cantaram no hemiciclo a canção-símbolo do 25 de Abril "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso.

Sobre esse tema, Marcelo Rebelo de Sousa avisou logo à chegada a Espanha, no domingo à noite, que nada iria dizer, por se tratar de um assunto interno de um "país irmão".

Hoje, mesmo no final seu discurso, referiu-se somente de passagem à diversidade dentro da Península Ibérica: "Unidos como estamos, Espanha e Portugal, Portugal e Espanha, ambos muito diversos entre nós e dentro de nós, conscientes de que só juntos, e tal como somos, poderemos ir mais longe".

"Só juntos, em democracia, com a humilde coragem de querer mais futuro do que passado. Esta a mensagem fraterna do Presidente de Portugal, homenageando nestas Cortes o forte caráter, a vigorosa personalidade, a consistente determinação, o espírito indomável do povo espanhol. Viva Espanha, viva Portugal", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.