Taxistas querem veículos de Lisboa em futuro aeroporto do Montijo

Associações de taxistas defendem que parte do contingente de Lisboa deverá passar para a margem sul do Tejo

As associações representativas dos táxis defenderam hoje que as licenças do transporte individual de passageiros que se encontram a mais em Lisboa deviam passar a operar no Montijo, caso a Base Aérea militar seja transformada em aeroporto comercial.

Em declarações à Lusa, tanto o presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, como o presidente da ANTRAL - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros, Florêncio Almeida, são unânimes ao considerar que a solução para o serviço de transporte individual passará por levar parte do contingente de Lisboa para a margem sul do Tejo, nomeadamente para o futuro aeroporto.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou na quarta-feira (08 fevereiro) que uma decisão definitiva sobre a localização do futuro aeroporto no Montijo está condicionada à conclusão de um relatório sobre o impacto da migração de aves naquela zona, nomeadamente para a segurança migratória.

"É o momento oportuno de se começar a discutir o que se pretende. Que tipo de praça vai ser criada no Montijo, se vai ser aberto concurso, ou se será fixado um contingente e daí levar viaturas que estão na cidade de Lisboa para aquele aeroporto, sem prejuízo dos empresários do Montijo", afirmou Carlos Ramos.

O responsável da FPT alertou para o facto de as licenças que foram sendo atribuídas ao longo dos últimos anos terem acontecido "considerando o crescimento do aeroporto [Humberto Delgado, de Lisboa], bem como o tecido empresarial na capital".

"Todos nós temos a moção que, em termos de empresas, muitas se foram embora para a zona periférica, muitas para Oeiras, o que leva a que o equilibro entre a procura e a oferta não esteja assegurado. Há mais oferta do que procura", salientou.

Desta forma, Carlos Ramos considera que, se uma parte substancial do aeroporto de Lisboa, como voos e passageiros, vai para o Montijo, é preciso pensar num contingente de acordo com as necessidades que vão surgir.

Também Florêncio Almeida defendeu como solução para o eventual aeroporto do Montijo uma "escala para que os táxis de Lisboa lá possam ir fazer serviço", avançando que tal medida caberá ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

"Não acredito que se vá aumentar o contingente da praça do Montijo para satisfazer as necessidades e os táxis de Lisboa fiquem parados", disse Florêncio de Almeida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.