Taxistas desconvocam vigília agendada para amanhã

Federação Portuguesa do Táxi terá recebido garantias de que problemas, relacionados com a falta de respostas sobre o transporte ilegal de passageiros, vão ser resolvidos

A Federação Portuguesa do Táxi (FPT) desconvocou hoje a vigília marcada para quinta-feira, após receber a garantia do Instituto da Mobilidade e dos Transportes de que vão ser resolvidos os "problemas identificados" para o cumprimento da lei.

"A Federação Portuguesa do Táxi acaba de receber a garantia do Presidente do IMT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes que serão resolvidos todos os problemas identificados para o 'regular cumprimento da lei 35/2016, até ao próximo dia 30 de março'", avança o organismo, em comunicado.

De acordo com a FPT, o presidente do IMT "deu a palavra", em conversa telefónica com o presidente da Federação do Táxi, de que se está a viver "um processo de boa fé entre instituições", razão pela qual a federação desconvocou a concentração/vigília agendada para esta quinta-feira.

A 22 de fevereiro, a FPT agendou para a manhã de quinta-feira, 09 de março, uma vigília em protesto pela falta de respostas do Governo sobre o transporte ilegal de passageiros, em frente à sede do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT), em Lisboa.

"A iniciativa vai realizar-se a pé e será reação obrigatória à falta de resposta do primeiro-ministro perante a inércia do Governo, através do Ministério do Ambiente, do IMT e do Ministério da Administração Interna, no cumprimento integral da lei 35/2016: a lei contra o transporte ilegal de passageiros em viaturas ligeiras", lia-se no comunicado divulgado na altura.

A FTP sublinhou que a lei já entrou em vigor, exigindo que a legislação seja cumprida.

A lei 35/2016, que entrou em vigor em novembro, regulamenta o acesso à atividade e ao mercado dos transportes em táxi e reforça as "medidas dissuasoras de atividade ilegal" no setor.

A lei visou reforçar as coimas pelo exercício ilegal de transporte de táxi. Pelo exercício da atividade sem o alvará, as coimas passaram a ser entre 2.000 e 4.500 euros (pessoa singular) e entre 5.000 e 15.000 (pessoa coletiva).

Entretanto, a PSP fez saber que instaurou 153 autos de contraordenação por falta de alvará a veículos da Uber e Cabify entre 26 de novembro e o início de fevereiro, no âmbito das alterações à lei que regula o setor dos táxis.

De acordo com dados da PSP, foram realizadas, desde a entrada em vigor do diploma, 63 operações de fiscalização, das quais resultaram 153 contraordenações, 135 em Lisboa e 18 no Porto.

Contudo, Carlos Ramos alega que a lei não está a ser aplicada porque, apesar de estarem a ser levantados autos de contraordenação, o pagamento não está a ser efetuado por falta de entidade e referência multibanco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.