Taxify quer nova lei rapidamente

O diretor-geral da Taxify Portugal, David Silva, compreende o veto presidencial à lei que regularia a atividade do setor

A plataforma eletrónica de transporte privado de passageiros Taxify considerou hoje compreensível o veto do Presidente da República à lei que regularia a atividade do setor, mas espera que o processo legislativo "decorra de forma célere".

"Esperamos que o processo legislativo decorra de forma célere, para que não continuemos a operar num mercado não regulado", afirmou o diretor-geral da Taxify Portugal numa posição escrita enviada à agência Lusa.

Na nota, David Silva disse ainda "compreender que a entrada das plataformas de transporte privado de passageiros em Portugal exija uma adaptação do setor".

Para o chefe de Estado, a lei gera "reservas políticas de fundo", desde logo ao nível da concorrência

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, solicitou no domingo ao parlamento que volte a apreciar a lei que irá regular a atividade das plataformas eletrónicas de transporte de passageiros como a Uber e a Cabify, modernizando ainda a legislação dos táxis.

Para o chefe de Estado, a lei gera "reservas políticas de fundo", desde logo ao nível da concorrência, razão pela qual pediu à Assembleia da República que "mostre abertura para reponderar a mencionada solução, por forma a ir mais longe do que foi -- nomeadamente nas tarifas ou na contribuição --, na obtenção desse equilíbrio no tratamento de operadores de transportes em domínio socialmente tão sensível, idealmente regulando o TVDE em simultâneo com a modernização da regulação dos táxis".

O regime jurídico de transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica, o chamado TVDE, foi aprovado pelo parlamento no final de março, em votação final global.

Contudo, a nova lei deixa de fora a definição, pelas autarquias, do número de veículos ao serviço das plataformas, os chamados contingentes, defendidos pelas associações dos táxis.

O facto de veículos de transporte de passageiros através de plataformas eletrónicas se encontrarem a operar desde 2014 sem regulamentos tem sido contestado pelo setor do táxi.

A Uber disse esperar a "breve aprovação" de uma lei "moderna e transparente", apesar do veto do Presidência da República ao diploma que regularia a atividade e que terá de ser reformulado

Em reação ao veto de Marcelo Rebelo de Sousa, a Federação Portuguesa do Táxi (FPT) e a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) aplaudiram a decisão por considerarem a lei desequilibrada.

Por sua vez, a Uber disse esperar a "breve aprovação" de uma lei "moderna e transparente", apesar do veto do Presidência da República ao diploma que regularia a atividade e que terá de ser reformulado.

A Cabify assegurou que vai colaborar com a Assembleia de República para "uma regulação progressista para o setor da mobilidade em Portugal"

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.