Taxas moderadoras: Maioria dos que pediram isenção não vai pagar

A maioria dos utentes que solicitaram isenção de pagamento de taxas moderadoras por insuficiência económica, ou a sua confirmação, ficará isenta, anunciou hoje o ministro da Saúde.

Paulo Macedo fez este anúncio aos jornalistas após participar na cerimónia do Dia Nacional de Dador de Sangue, em Lisboa.

De acordo com o ministro, as situações de isenção estão a ser confirmadas, "porque infelizmente as pessoas não aumentaram os seus rendimentos".

Em relação aos novos pedidos, a maioria também está a ter uma resposta positiva, adiantou Paulo Macedo.

A decisão sobre a isenção de pagamento de taxas moderadoras por insuficiência económica começou sexta-feira a ser enviada para os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que a requereram e também para os que já a tinham.

Até às 12:16 de sexta-feira, tinham seguido 583.404 requerimentos, que correspondem a 1.103.607 utentes.

Para ficarem isentos deste pagamento por motivos económicos, os utentes têm de integrar um agregado familiar cujo rendimento médio mensal, dividido pelo número de pessoas a quem cabe a direção do agregado familiar, seja igual ou inferior a 628,83 euros.

Aos pedidos destes utentes juntar-se-ão os quatro milhões que eram isentos até final do ano passado e que também vão ter agora uma resposta sobre a continuidade ou não desta isenção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.