TAP mantém operação para a Venezuela inalterada

Crise económica já levou outras companhias a suspender voos para o destino

A TAP vai manter a operação para Caracas, na Venezuela, de três voos semanais, apesar do agudizar da crise económica e da retenção de capitais, que já levaram várias companhias aéreas a cancelar o destino.

"Fizemos alterações ao longo do tempo. Agora vamos manter a operação", garantiu o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, à margem da conferência da imprensa em que a transportadora anunciou o reforço de conteúdos a bordo dos aviões de longo curso, através de uma parceria com a Sport TV.

Em declarações aos jornalistas, Fernando Pinto realçou a importância da operação da TAP para a comunidade portuguesa na Venezuela, adiantando que continuam a decorrer negociações para recuperar os capitais retidos, que penalizaram os resultados em 2015.

"Reduzimos a operação ao longo do tempo até porque o mercado reduziu drasticamente, mas por enquanto a nossa decisão é manter, principalmente em respeito pela grande comunidade portuguesa que existe naquele país", declarou o gestor.

No sábado, a companhia aérea alemã Lufthansa anunciou que vai suspender os voos entre a Venezuela e a Alemanha a partir de 18 de junho devido à impossibilidade de trocar as receitas para dólares norte-americanos e à baixa procura de voos.

Na segunda-feira, foi a vez da Latam, a principal companhia aérea da América Latina, suspender indefinidamente os voos com destino à Venezuela.

A TAP consolidou nas contas do ano passado 91,4 milhões referentes a vendas na Venezuela, cujo valor ainda não foi transferido, situação agravada por diversas desvalorizações cambiais.

O acordo assinado hoje, entre o presidente da TAP, Fernando Pinto, e o presidente da Sport TV, Joaquim Oliveira, prevê que os 20 aviões de longo curso da TAP passem a disponibilizar aos seus passageiros um noticiário diário com cerca de 30 minutos.