TAP leva mães e bebés à Madeira

Para celebrar o Dia da Mãe, a companhia faz o batismo de voo dos primeiros bebés nascidos neste dia, no ano passado. Uma celebração especial para as famílias, com a TAP

No ano passado, a TAP decidiu celebrar o Dia da Mãe com uma surpresa. Este ano, completa a celebração. De que se trata? Hoje, os primeiros bebés nascidos no Dia da Mãe de 2017 terão o seu batismo de voo, viajando com as mães até à Madeira.

Tudo começou quando a TAP surpreendeu as primeiras mães do dia, no ano passado, em cada distrito do país e nas ilhas. Nessa ocasião, todas as famílias receberam um kit bebé, que incluía um voucher para uma viagem de batismo de voo. Este ano, quando os bebés estão prestes a completar um ano de vida, e novamente assinalando o Dia da Mãe, a TAP leva então essas mesmas famílias a cumprir a viagem de batismo de voo dos seus bebés.

No total, são mais de 40 pessoas, oriundas de vários distritos de Portugal, de Norte a Sul, que vão viajar até à Madeira, neste Dia da Mãe. Naquela ilha vão usufruir de um programa dedicado, elaborado com o apoio da Associação de Promoção do Turismo da Madeira, que propõe às famílias algumas experiências em conjunto, incluindo uma aula de ioga com os bebés e sessões de cook experience, bem como outras atividades lúdicas.

"Esta ação, em parceria estratégica com a Associação de Promoção da Madeira, demonstra bem o potencial do destino para o segmento Famílias, em Portugal, mercado de proximidade a apenas 1H30 de distância", explica a companhia, que dá mais uma vez vida a uma iniciativa que vai tornar o Dia da Mãe ainda mais especial.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.