TAP anuncia ligação direta entre Lisboa e Buenos Aires

Miguel Frasquilho, presidente do conselho de administração da transportadora, afirmou estar confiante na inauguração da rota já no próximo ano

A transportadora aérea portuguesa (TAP) vai ter uma ligação direta entre Lisboa e Buenos Aires, anunciou hoje, na capital argentina, o presidente do conselho de administração da transportadora.

Miguel Frasquilho fez o anúncio durante a reunião do conselho mundial de viagens e turismo (WTTC), a decorrer na capital argentina, e afirmou estar confiante na inauguração da rota já no próximo ano.

O arranque dependerá, contudo, dos prazos de entrega dos novos aviões da Airbus, que estão a ser incorporados na frota da companhia portuguesa, frisou.

A "TAP está a expandir a frota, com novas aeronaves e operações na Europa, América Latina e América do Norte"

Miguel Frasquilho aproveitou a ocasião para reforçar a "história de sucesso da TAP", uma companhia que conseguiu afirmar-se numa altura em que "o país enfrentava uma crise interna e resgates da União Europeia".

Até há três anos, a TAP era "uma empresa pública e não rentável, sem capital para poder reformar a frota, mas a entrada de investidores privados a 50% permitiu o crescimento", disse, citado pela agência espanhola EFE.

A TAP está entusiasmada com este novo projeto e espera que os argentinos aproveitem a oportunidade para visitar Portugal

O gestor assegurou que a crise terminou e a que "TAP está a expandir a frota, com novas aeronaves e operações na Europa, América Latina e América do Norte".

"A TAP está entusiasmada com este novo projeto e espera que os argentinos aproveitem a oportunidade para visitar Portugal", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.