Investigação "doa a quem doer e não deixando ninguém imune"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, voltou hoje a exigir "uma investigação total" no caso do furto de material militar nos paióis de Tancos, "doa a quem doer e não deixando ninguém imune".

O chefe de Estado reafirmou a necessidade de se apurarem "factos e responsabilidades", no caso do furto de diverso material militar nos paióis de Tancos, anunciado no quinta-feira pelo Exército.

"Pensando no prestígio de Portugal, no prestígio das Forças Armadas, pensando na autoridade do Estado e na segurança das pessoas, é muito simples: tem de se apurar tudo, de alto a baixo, até ao fim, doa a quem doer", disse Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, em Castanheira de Pera, distrito de Leiria, pouco antes de partir para Tancos, onde se reúne hoje com o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, e com os chefes do Estado-Maior General das Forças Armadas e do Exército.

"O que se exige neste caso é "uma investigação total, integral", não "deixando ninguém imune", vincou Marcelo Rebelo de Sousa que também o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Sobre os 12 militares e quatro empresários detidos hoje por suspeitas de corrupção, abuso de poder e falsificação de documentos, Marcelo Rebelo de Sousa optou por não comentar, frisando que o Presidente da República "respeita a tramitação da investigação da justiça".

Entre os detidos, estão um major-general, um coronel, um tenente-coronel e um major, suspeitos de suspeitos de participar num "esquema fraudulento que poderá ter lesado o Estado em cerca de 10 milhões de euros" relacionado com a sobrefaturação de bens e matérias-primas para a confeção de refeições nas messes da Força Aérea, explanou fonte da PJ.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.