Tancos: Paióis vão fechar em definitivo por falta de condições

Ministro reconhece que há demasiadas dificuldades para "garantir a segurança dos equipamentos".

O ministro da Defesa confirmou que vai fechar definitivamente os Paióis Nacionais de Tancos devido às dificuldades logísticas de garantir a segurança e acusou o CDS-PP de tentar instrumentalizar politicamente o caso.

Em entrevista à RTP3, na noite de terça-feira, Azeredo Lopes esclareceu que o processo de averiguações aberto pelo Regimento de Engenharia 1 do Exército - o que tinha a responsabilidade pela segurança dos paióis na altura do furto - poderá determinar "eventuais responsabilidades disciplinares".

O material militar que está atualmente nos PNT será transferido para as instalações militares de Santa Margarida, Santarém, e eventualmente para os paióis da Força Aérea e da Marinha, estes últimos, em Alcochete, com condições de segurança que obedecem aos padrões NATO, disse.

Quanto aos Paióis de Tancos, serão definitivamente encerrados pelas "dificuldades logísticas de garantir a segurança dos equipamentos".

O ministro reiterou que "não sabia" da existência de qualquer risco de segurança nas instalações de Tancos e acusou o CDS-PP de procurar "instrumentalizar as Forças Armadas" ao pedir a demissão não só do ministro mas do chefe do Estado Maior do Exército.

Para Azeredo Lopes, "numa análise de boa-fé", começa a ser "mais discutível a aceitação política desta exigência [a demissão do ministro da Defesa} a partir do momento em que o ministro demonstra que não sabia, não podia saber e que não tinha conhecimento prévio" de riscos de segurança nas instalações de Tancos.

"Havia um problema geral quanto a proteção e videovigilância", disse.

O Exército divulgou no passado dia 29 de junho o furto de material de guerra dos paióis de Tancos, Vila Nova da Barquinha, Santarém, com um valor estimado em 34.400 euros. Parte desse material estava obsoleto e indicado para abate desde 2012, disse Azeredo Lopes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.