Marcelo considera necessário esclarecer "se houve ou não atuação criminal "

O Presidente da República insistiu hoje que é necessário esclarecer o que se passou com o furto de armas em Tancos, nomeadamente "se houve ou não atuação criminal, em que é que se traduziu e quem são os responsáveis".

Questionado pelos jornalistas sobre um relatório elaborado pelo Serviço de Informações Militares relativamente ao desaparecimento de armas de guerra dos paióis de Tancos, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a comentar o documento, publicado hoje no semanário Expresso.

"O que digo sobre esse caso é sempre o mesmo: os portugueses esperam e o Presidente da República espera que haja o apuramento de uma realidade que é muito importante", afirmou.

De acordo com o Expresso, o relatório secreto dos serviços de informações militares arrasa a atuação do poder político e militar no caso do desaparecimento de armas em Tancos, a 29 de junho.

O relatório refere que o ministro atuou com grande "ligeireza, quase imprudente", sendo-lhe apontadas "declarações arriscadas e de intenções duvidosas" e uma "atitude de arrogância cínica" na condução de todo o processo.

No documento são apontados três cenários como "muito prováveis", referindo "tráfico de armamento para África, em concreto Guiné-Bissau ou Cabo Verde, ou um assalto promovido por mercenários portugueses contratados ou ainda por grupos de jihadistas".

"Naturalmente que segue uma investigação própria, mas há de chegar um dia em que teremos de apurar efetivamente o que existiu naquilo que aparentemente se configura como uma atuação potencialmente violadora de regras fundamentais do direito português. Vamos ver se se prova", afirmou o Presidente da República, que hoje passeou pelo Parque de Serralves, no Porto, onde decorre a Festa do Outono.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.