Supremo volta a rejeitar libertação de Vale e Azevedo

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou a libertação imediata do ex-presidente do Benfica Vale e Azevedo.

De acordo com o site do Supremo Tribunal de Justiça, o relator desta decisão foi juiz-conselheiro Souto Moura, antigo procurador-geral da República.

Em acórdão a que a agência Lusa teve acesso, datado de quinta-feira, o STJ recusou que Vale e Azevedo, extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012, esteja em prisão ilegal, contrariando José António Muacho, Ana Elisabete Lopes e Deolinda Branco da Silva.

Os cidadãos recorreram para o STJ com o fundamento de que Vale e Azevedo já cumpriu cinco sextos da pena de 11 anos e meio, fixada em cúmulo jurídico pela 4.ª Vara Criminal de Lisboa, no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea (seis anos de prisão em cúmulo), Dantas da Cunha (sete anos e meio) e Ribafria (cinco anos).

Argumentou ainda o grupo de cidadãos que "os direitos humanos de Vale e Azevedo estão a ser violados", uma vez que este ainda aguarda a liberdade condicional, sublinhando que o antigo presidente "está a ser vítima de um tratamento muito desigual, em comparação com outros casos de Justiça".

Os subscritores de mais um pedido de libertação imediata ("habeas corpus") de Vale e Azevedo sustentaram que "há casos bem mais graves", como BPN, Monte Branco e Face Oculta, sem que exista "um único arguido em prisão efetiva".

Pela quarta vez, o STJ rejeitou a libertação imediata de Vale e Azevedo, que se encontra preso no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), depois de ter sido extraditado para Portugal, após quatro anos, quatro meses e seis dias, com medidas restritivas de liberdade, em Londres.

A última rejeição de "habeas corpus" ocorreu a 03 de janeiro deste ano, com a 5.ª Secção a decidir não dar provimento ao recurso de Vale e Azevedo.

A 07 de novembro de 2012, a 3.ª Secção do STJ recusou a libertação imediata, enquanto um primeiro pedido, datado de 16 de outubro do mesmo ano, nem sequer chegou a ser distribuído para apreciação, uma vez que um vice-presidente do tribunal superior determinou o seu arquivamento.

Vale e Azevedo continua a ser julgado na 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, pelos crimes de peculato, branqueamento de capitais, falsificação de documento e abuso de poder.

Em causa estão verbas relacionadas com transferências de jogadores do Benfica, e Vale e Azevedo usou a prerrogativa da lei, no âmbito do processo de extradição para Portugal, para não estar presente em julgamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.