Supremo volta a rejeitar libertação de Vale e Azevedo

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou a libertação imediata do ex-presidente do Benfica Vale e Azevedo.

De acordo com o site do Supremo Tribunal de Justiça, o relator desta decisão foi juiz-conselheiro Souto Moura, antigo procurador-geral da República.

Em acórdão a que a agência Lusa teve acesso, datado de quinta-feira, o STJ recusou que Vale e Azevedo, extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012, esteja em prisão ilegal, contrariando José António Muacho, Ana Elisabete Lopes e Deolinda Branco da Silva.

Os cidadãos recorreram para o STJ com o fundamento de que Vale e Azevedo já cumpriu cinco sextos da pena de 11 anos e meio, fixada em cúmulo jurídico pela 4.ª Vara Criminal de Lisboa, no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea (seis anos de prisão em cúmulo), Dantas da Cunha (sete anos e meio) e Ribafria (cinco anos).

Argumentou ainda o grupo de cidadãos que "os direitos humanos de Vale e Azevedo estão a ser violados", uma vez que este ainda aguarda a liberdade condicional, sublinhando que o antigo presidente "está a ser vítima de um tratamento muito desigual, em comparação com outros casos de Justiça".

Os subscritores de mais um pedido de libertação imediata ("habeas corpus") de Vale e Azevedo sustentaram que "há casos bem mais graves", como BPN, Monte Branco e Face Oculta, sem que exista "um único arguido em prisão efetiva".

Pela quarta vez, o STJ rejeitou a libertação imediata de Vale e Azevedo, que se encontra preso no Estabelecimento Prisional da Carregueira (Sintra), depois de ter sido extraditado para Portugal, após quatro anos, quatro meses e seis dias, com medidas restritivas de liberdade, em Londres.

A última rejeição de "habeas corpus" ocorreu a 03 de janeiro deste ano, com a 5.ª Secção a decidir não dar provimento ao recurso de Vale e Azevedo.

A 07 de novembro de 2012, a 3.ª Secção do STJ recusou a libertação imediata, enquanto um primeiro pedido, datado de 16 de outubro do mesmo ano, nem sequer chegou a ser distribuído para apreciação, uma vez que um vice-presidente do tribunal superior determinou o seu arquivamento.

Vale e Azevedo continua a ser julgado na 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, pelos crimes de peculato, branqueamento de capitais, falsificação de documento e abuso de poder.

Em causa estão verbas relacionadas com transferências de jogadores do Benfica, e Vale e Azevedo usou a prerrogativa da lei, no âmbito do processo de extradição para Portugal, para não estar presente em julgamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."