Superior espera mais candidatos neste ano

Exames. Provas do secundário com mais alunos e ligeira queda a Matemática. Facto inédito, todas as disciplinas tiveram média positiva

Os responsáveis das universidades e institutos politécnicos públicos acreditam num aumento de candidatos ao ensino superior durante a primeira fase de acesso - que arranca já na próxima quarta-feira. Isto, tendo em conta que os resultados dos exames nacionais do secundário, ontem divulgados, dão conta de mais provas realizadas e - apesar da quebra na sempre importante Matemática - de um inédito pleno de médias positivas a todas as disciplinas.

De acordo com dados do Júri Nacional de Exames, a primeira fase dos exames do secundário contou com um total de 329 887 provas realizadas, cerca de 10 400 a mais em relação a 2015. E este é o fator decisivo para o otimismo moderado dos responsáveis das instituições.

"Para já, o que estes alunos estão a fazer é a completar o ensino secundário", ressalva Joaquim Mourato, presidente do Politécnico de Portalegre e do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP). "Mas pela informação que temos e pela experiência dos últimos anos é possível que tenhamos um ligeiro acréscimo dos candidatos, o que de resto já era expectável face ao número de inscritos", acrescenta.

A mesma leitura é feita por António Cunha, reitor da Universidade do Minho e presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP). "Aparentemente, numa análise simples, sim, a expectativa de é que existam mais candidatos ao ensino superior."

No entanto - porque os exames além de permitirem concluir o secundário servem de prova de ingresso nas instituições -, o fator das classificações também tem impacto nos candidatos. E aqui as contas são mais baralhadas.

Por um lado, é boa notícia o facto de nenhuma disciplina ter registado, entre os alunos internos, médias abaixo dos 9,5 valores - um facto raro, senão inédito, na história dos exames. Biologia e Geologia, com 10,1 valores de média entre os internos (face aos 8,9 de 2015) deixou de ser a exceção à regra das médias acima dos 9,5. O que permitiu também que a percentagem de reprovações à disciplina (feita a ponderação com as classificações atribuídas pelas escolas) baixasse dos 11% para os 8%.

Física e Química - outra tradicional dor de cabeça para os alunos - também reforçou os sinais de recuperação deixados no ano passado, evoluindo da média de 9,9 para os 11,1, baixando em quatro pontos percentuais as reprovações, que se ficaram nos 11%. A confirmar-se que mais alunos atingiram os patamares mínimos, isso será uma boa notícia para as instituições que tendem a ser segundas e terceiras escolhas dos alunos. Mas, como lembra Joaquim Mourato, "uma nota abaixo dos 9,5 valores impede a candidatura para qualquer lugar". O presidente do CCSISP considera, no entanto, que a nível das médias não são de esperar "alterações muito significativas" nos candidatos, mostrando-se mais preocupado com "as flutuações, não tanto por afetarem as candidaturas mas porque podem ser um fator de injustiça. Um aluno pode usar a mesma prova específica durante dois anos", recorda.

Já António Cunha admite alguma preocupação com a quebra registada na Matemática A, cujas médias baixaram oito décimas, para os 11,2 valores. "Temos uma expectativa positiva em relação às candidaturas, mas não será a mesma para todas as áreas", assume. "Na Engenharia vejo alguma possibilidade de haver menos candidatos devido ao resultado da Matemática". Ainda assim, acrescenta, porque Física e Química também serve habitualmente de prova de ingresso nesses cursos, "provavelmente haverá uma compensação de uma área sobre a outra".

Português foi outra disciplina em que o desempenho médio dos alunos baixou neste ano, ainda que ligeiramente, passando dos 11 valores de média para os 10,8. E Rita Paraíso, 18 anos, aluna da Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, conta-se entre os alunos que acabaram surpreendidos.

"Fui a exame com média de 14 a Português mas na prova tive 12, uma nota que nunca tinha tido", contou ao DN a estudante que, apesar de estar com média de 15 valores - "que já permite concorrer aos cursos de Direito que me interessam" -, está "a pensar recorrer" da classificação. "A prova tinha-me corrido lindamente", explica.

Já a colega de turma e amiga Madalena teve a experiência oposta no exame: "A prova correu bem melhor do que estava à espera e tive um 16", conta.

Salvador, 18 anos, que ambiciona entrar num curso de Gestão, teve "um 14" na prova de Matemática A e garante não ter sentido as dificuldades que a quebra na média nacional à disciplina parecem apontar: "A prova era o que eu esperava, mas também me preparei bastante", contou ao DN. "E estou satisfeito com o resultado. Vim com média de 12 e fiquei com 13."

Menos satisfeita estava Catarina, 16 anos, aluna do 11.º ano, que não gostou dos 12 valores que teve a Geografia. Até porque é uma das provas de ingresso que conta usar para se candidatar, em 2017, ao curso de Turismo. "Acho que vou voltar a fazer a prova na segunda fase (dos exames, que decorre neste mês) para tentar melhorar."

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.