Eutanásia. Há 20 portugueses que pediram para morrer na Suíça

Nos últimos anos, quatro residentes em Portugal puseram termo à vida com o apoio da associação Dignitas

Há 20 portugueses que pediram à associação suíça Dignitas que os ajudasse a morrer. Estão à espera. Nos últimos anos, quatro residentes em Portugal puseram termo à vida com o apoio da instituição. O tema do suicídio assistido e da eutanásia, com a intervenção direta de um profissional de saúde, regressou à discussão pública no nosso país nesta semana e vai estar em debate no Parlamento.

Em seis anos, o número de portugueses que se tornaram membros da Dignitas mais do que duplicou. Em 2009, havia apenas nove inscritos e nunca nenhum tinha decidido pedir a morte assistida. Sete anos depois já morreram quatro. O caso mais conhecido foi o da mulher de 67 anos, divorciada e sem filhos, a quem foi diagnosticado um cancro em estado avançado. Não conseguindo suportar as dores e temendo ficar incapacitada, inscreveu-se na Dignitas em abril de 2009 e o processo foi rápido, morreu em Junho, após duas consultas, tendo sido acompanhada neste processo por dois amigos. Um outro caso era residente em Portugal, mas de nacionalidade alemã.

A associação suíça, que é uma das poucas a aceitar cidadãos de outros países, cresceu exponencialmente. Desde 1998, altura em que foi fundada, e até 2015, apoiou 2127 pessoas que pediram para morrer. Hoje há 7291 cidadãos inscritos de 74 países, a maior parte da Alemanha, da Suíça e da Grã--Bretanha. Apesar de estar sobretudo associada à morte assistida, a Dignitas lembra que o seu trabalho é muito mais abrangente, baseando-se no aconselhamento, na procura de alternativas para uma vida mais digna.

Para uma pessoa se tornar membro da Dignitas tem de ter mais de 18 anos, pagar uma joia de 208 euros e uma quota anual de 84 euros no mínimo, embora haja situações especiais para quem tenha dificuldades económicas. A partir daí pode beneficiar de serviços de aconselhamento, ter acesso a apoio médico e solicitar apoio no suicídio assistido. Neste caso, têm de estar reunidas algumas condições, entre elas a existência de uma doença terminal, altamente incapacitante ou que gere dor insuportável.

Laura Santos, a socióloga que publicou o livro Ajudas-Me a Morrer e uma das autoras do manifesto em defesa da despenalização da morte assistida, divulgado há uma semana, salienta que estas são associações que têm lutado para que se viva e morra com dignidade. "Mesmo que as pessoas sejam membros, não quer dizer que venham a pôr fim à vida. Este é apenas um seguro de morte." A Dignitas esclarece, aliás, que há membros que se juntam à associação para apoiar a causa; outros inscrevem-se, mas podem nunca recorrer ao suicídio assistido. É o direito a esta escolha que Laura Santos defende acerrimamente, como as dezenas de signatários do manifesto pelo "Direito a morrer com dignidade", que em nada contestam a necessidade de mais cuidados paliativos, apoio no tratamento e medicalização da dor ou resposta na depressão e apoio às famílias. O que falta "é uma realidade, que não pode ser desprezada. Mas a verdade é que há anos que se fala nestes problemas e está tudo exatamente na mesma. Os britânicos têm dos melhores serviços de cuidados paliativos, mas são dos maiores clientes desta clínica", exemplifica. "Não é uma panaceia para a dor, mas é preciso ver que esta mudança pode ser um ponto de viragem também para as restantes respostas em falta, como aconteceu no Oregon, EUA."

Suicídio clandestino falha 98%

Em resposta ao DN, a associação Dignitas explicou a sua missão: não pratica eutanásia - é o doente que põe termo à sua vida e não um médico/enfermeiro que administra a droga - e não é uma clínica.

O suicídio acompanhado, como designou, "indica o que é. Um suicídio, um fim autodeterminado e através de meios próprios depois de uma vida em sofrimento. O facto de ser acompanhado significa que o indivíduo deve poder administrar a droga letal por si próprio e não pode dar sinais de falta de discernimento. Mais importante, a pessoa não é deixada sozinha e pode fazê-lo com a família e amigos". Pelo contrário, um suicídio clandestino falha na maioria dos casos, podendo atingir taxas de insucesso até 98%.

O manifesto português pelo direito à morte, assinado por personalidades como Francisco George, o diretor-geral da Saúde, João Semedo, ex-coordenador do Bloco de Esquerda, a poetiza Maria Teresa Horta ou o historiador Pacheco Pereira, termina alegando ser "imperioso acabar com o sofrimento inútil e sem sentido, imposto em nome de convicções alheias. É urgente despenalizar e regulamentar a morte assistida".

O documento veio colocar o tema da morte assistida e da eutanásia na agenda política, com os partidos de esquerda abertos a uma discussão. O Bloco de Esquerda já admitiu avançar com uma proposta legislativa e o PS considerou que o tema é pertinente. Para já, apenas o CDS-PP está contra a iniciativa e pede maior debate para lá do Parlamento. O PSD ainda não tomou uma posição, mas defende a liberdade de voto. Vários organismos e personalidades defendem um debate mais profundo e a realização de referendos (ver páginas 14 e 15), como a Ordem dos Médicos ou a Associação Portuguesa de Bioética. Rui Nunes, o presidente desta associação, é a favor de "uma discussão que saia das portas do Parlamento. Tem de haver um debate mais alargado, porque é um tema fraturante. As pessoas nem sabem a diferença entre eutanásia e morte assistida. Tem de haver discussão e um referendo".

Laura Santos contesta a realização de um referendo. "São liberdades de consciência que não se referendam. Não há direitos fundamentais sujeitos a referendo." Por isso, discorda ainda dos constitucionalistas que consideram que a morte assistida põe em causa a Lei Fundamental. "A vida é um direito inviolável, mas não está na Constituição que viver até ao fim seja um dever irrenunciável."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.