S&P surpreende e tira rating Portugal do lixo

A agência de notação Standard & Poor"s supreendeu todos e colocou Portugal em "grau de investimento". Espera-se uma forte reação nos mercados na segunda-feira

Uma surpresa geral. A Standard & Poor"s anunciou ontem à noite que retirou Portugal do território de lixo. Foi a primeira das três grandes agências de rating - Moody"s, Fitch e S&P - a fazê-lo desde que Portugal desceu para aquele nível em 2011, em plena crise de dívida europeia.

A surpresa foi total já que só se antecipava uma melhoria do nível de risco da dívida soberana, na melhor das hipóteses, daqui a 12 meses. "É uma decisão relevante porque permite a uma fatia importante de investidores comprar dívida soberana portuguesa", afirmou Filipe Garcia, economista da IMF-Informação de Mercados Financeiros ao DN/Dinheiro Vivo.

"Era imperativo fechar este ciclo e sair do nível de lixo e não há razões nenhumas para pensar que as outras agências não seguirão este caminho", disse Luís Tavares Bravo, economista da DIF Broker. "O índice PSI 20 vai voar", adianta.

A S&P subiu o rating de Portugal de BB+ para BBB-, mantendo a perspetiva "estável". Na base desta decisão está a "forte performance económica e orçamental" do país, justificou a agência de rating.

A S&P subiu a sua estimativa para o crescimento da economia portuguesa, em média, entre 2017 e 2020, de 1,5% para 2%. E prevê que a meta de 1,5% para o défice público face ao Produto Interno Bruto (PIB) vai ser alcançada, "colocando o rácio de dívida líquida face ao PIB num caminho mais firme de queda".

Destaca que pode subir o rating de Portugal se observar, entre outros fatores, uma maior consolidação orçamental.

Na sua última avaliação, a 17 de março, a S&P reafirmou o rating de BB+ com uma perspetiva "estável".

Os ratings, ou classificações dos níveis de risco, da S&P vão de AAA, que corresponde ao menor risco para o investidor, até D, o maior risco para o investidor.

Este anúncio surge após Fitch e Moody"s terem subido o outlook (perspetiva)do país de estável para positivo, em junho e setembro, respetivamente.

Portugal entrou no nível conhecido por lixo pela mão da Moody"s em julho de 2011 em plena crise de dívida na zona euro. Seguiu-se a Fitch em novembro de 2011 e a S&P em janeiro de 2012.

A agência canadiana DBRS tem sido a única das quatro consideradas pelo Banco Central Europeu a manter Portugal a salvo com um rating de grau de investimento (BBB-low) desde novembro de 2014, o que tem permitido ao país ter elegibilidade para aceder ao programa de compra de ativos do banco central e aos bancos portugueses aceder a financiamento junto do BCE.

Analistas alertam contra euforia

Os analistas antecipavam que a S&P subisse a perspetiva da dívida soberana do país de estável para positiva. "É uma boa surpresa, pois o procedimento usual é a subida ser sinalizada por uma melhoria das perspetivas das agências de rating", afirmou Luís Bravo.

O analista frisa que a consolidação orçamental e a certeza de que o Banco Central Europeu vai garantir uma saída suave em termos de política monetária "foram os fatores fundamentais" para a decisão da S&P. Para Filipe Silva, diretor de Gestão de Ativos do Banco Carregosa, este anúncio "é bastante positivo para fortalecer a credibilidade do país e acaba por premiar Portugal por todo o esforço que fez". As consequências para o país serão diversas. "Vai ajudar a melhorar o risco das empresas portuguesas, pois estas acabam por ter o seu rating associado ao da República", adiantou. Mas alerta que "convém continuar com o trabalho feito até aqui, ver se conseguimos reduzir dívida e não entrar em euforias".

Filipe Garcia aponta que "parece que há algum otimismo da S&P; seria mais expectável que a agência aguardasse por uma redução do montante da dívida pública em termos relativos e absolutos".

Ontem, os juros da dívida soberana portuguesa a dez anos fecharam em queda ligeira para 2,8% e o principal índice acionista nacional, o PSI 20, encerrou inalterado nos 5,202 pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.