Sócrates preso por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção

A confirmação veio da Procuradoria Geral da República. O ex-primeiro ministro é um dos quatro detidos. Será presente ao juiz este sábado.

"No âmbito de um inquérito, dirigido pelo Ministério Público e que corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), e onde se investigam suspeitas dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, na sequência de diligências, desencadeadas nos últimos dias, foram efetuadas quatro detenções.Entre os detidos encontra-se José Sócrates", afirma o comunicado da Procuradoria Geral da República.

A SIC Notícias adianta que Sócrates foi detido no aeroporto de Lisboa às 22:12 quando chegava de Paris. Tinha elementos da Autoridade Tributária à sua espera, que o acompanharam. O ex-primeiro-ministro fica assim detido até ser presente ao juiz, este sábado.

No âmbito desta operação que a PGR esclarece ser independente da investigação Monte Branco, três dos detidos foram presentes ao juiz de instrução criminal durante sexta-feira, sendo que os interrogatórios serão retomados este sábado.

"Foram ainda realizadas buscas em vários locais, tendo estado envolvidos nas diligências quatro magistrados do Ministério Público, e sessenta elementos da Autoridade Tributária e Aduaneira e da Polícia de Segurança Pública (PSP), entidades que coadjuvam o Ministério Público nesta investigação", lê-se no comunicado.

O inquérito, que investiga operações bancárias, movimentos e transferências de dinheiro sem justificação conhecida e legalmente admissível, encontra-se em segredo de justiça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.