Sócrates decidiu desfiliar-se antes de ouvir Costa

O que António Costa disse ontem sobre Sócrates foi indiferente à decisão deste de se desfiliar do PS. A decisão já tinha sido tomada.

A várias vozes, a direção do PS desenvolveu nos últimos três dias uma barragem ofensiva contra José Sócrates mas na verdade bastou ao ex-líder ouvir Carlos César, na quarta-feira, na TSF, para se desfiliar do partido, decisão que hoje tornou pública, num artigo no JN.

Dito de outra forma: as declarações que se seguiram à de César - presidente do partido e líder parlamentar do PS -, como as de António Costa, não contaram para a decisão de Sócrates. "Se essas ilegalidades [de Pinho e de Sócrates] se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia. Mas se não se vierem a confirmar é a demonstração de que o nosso sistema de justiça funciona", respondeu ontem o primeiro-ministro, à margem de uma visita oficial ao Canadá

O facto de, por exemplo, João Galamba - que aliás chegou a deputado pela mão do ex-líder do PS, em 2009 - ter dito, ontem à noite, na SIC, que casos como o de Sócrates ou Manuel Pinho "envergonham qualquer socialista", também não contou para a decisão do ex-líder e ex-primeiro-ministro.

Também foram indiferentes a Sócrates as declarações, a seguir às de João Galamba, do número dois do Governo, Augusto Santos Silva: "São suspeitas sobre comportamentos que, a terem existido, significam crimes gravíssimos, mas eu não confundo suspeitas com acusações."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.