Soares sai de cena. Santana convidado para o Conselho Nacional

Como estava previsto, a dois dias do congresso, o líder eleito do PSD tomou decisões sobre a liderança parlamentar e como quer integrar o adversário na corrida à liderança do partido nas suas escolhas. A Hugo Soares, com quem se encontrou sábado passado, comunicou que não conta com ele para o futuro do grupo parlamentar. A Pedro Santana Lopes convidou para encabeçar a lista ao Conselho Nacional e, segundo o Expresso, Santana aceitou.

Este convite de Rio a Santana repete o que Passos fez, em 2010, quando ganhou o partido e teve a mesma atitude em relação a Paulo Rangel, que foi seu opositor.

Hugo Soares - que apoiou Pedro Santana Lopes e é muito próximo do anterior líder parlamentar, Luís Montenegro - reuniu ontem com a bancada parlamentar para comunicar aos pares que irá "devolver a palavra aos deputados para eleger uma nova direção parlamentar". O que acontecerá no dia 22. Na reunião do grupo todos os deputados que falaram consideraram errado este afastamento de Hugo Soares, disseram fontes do PSD ao DN. A decisão de Rui Rio sobre quem gostará de ver liderar os deputados ainda não está tomada. Têm sido falados os nomes de Fernando Negrão, Luís Campos Ferreira, Adão Silva e, mais recentemente, o de Duarte Pacheco.

Hugo Soares, naquele que foi o seu último debate como líder parlamentar, numa troca de argumentos com António Costa, voltou a evocar o resultado das legislativas após o primeiro-ministro dizer que ainda não era "a altura" das despedidas em relação ao líder da bancada do PSD: "Para fazer estes debates consigo bastou-me ter os votos da bancada atrás de mim, o senhor para fazer estes debates comigo teve de juntar os votos de outros.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.