Soares sai de cena. Santana convidado para o Conselho Nacional

Como estava previsto, a dois dias do congresso, o líder eleito do PSD tomou decisões sobre a liderança parlamentar e como quer integrar o adversário na corrida à liderança do partido nas suas escolhas. A Hugo Soares, com quem se encontrou sábado passado, comunicou que não conta com ele para o futuro do grupo parlamentar. A Pedro Santana Lopes convidou para encabeçar a lista ao Conselho Nacional e, segundo o Expresso, Santana aceitou.

Este convite de Rio a Santana repete o que Passos fez, em 2010, quando ganhou o partido e teve a mesma atitude em relação a Paulo Rangel, que foi seu opositor.

Hugo Soares - que apoiou Pedro Santana Lopes e é muito próximo do anterior líder parlamentar, Luís Montenegro - reuniu ontem com a bancada parlamentar para comunicar aos pares que irá "devolver a palavra aos deputados para eleger uma nova direção parlamentar". O que acontecerá no dia 22. Na reunião do grupo todos os deputados que falaram consideraram errado este afastamento de Hugo Soares, disseram fontes do PSD ao DN. A decisão de Rui Rio sobre quem gostará de ver liderar os deputados ainda não está tomada. Têm sido falados os nomes de Fernando Negrão, Luís Campos Ferreira, Adão Silva e, mais recentemente, o de Duarte Pacheco.

Hugo Soares, naquele que foi o seu último debate como líder parlamentar, numa troca de argumentos com António Costa, voltou a evocar o resultado das legislativas após o primeiro-ministro dizer que ainda não era "a altura" das despedidas em relação ao líder da bancada do PSD: "Para fazer estes debates consigo bastou-me ter os votos da bancada atrás de mim, o senhor para fazer estes debates comigo teve de juntar os votos de outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?