Soares junta Marcelo, Costa e Ferro

Um ano passado sobre a sua morte, fundador do PS e ex-Presidente da República será homenageado pelas mais altas figuras da hierarquia do Estado.

O Presidente da República, o presidente da Assembleia da República e o primeiro-ministro estarão juntos, no domingo, no cemitério dos Prazeres, para um tributo a Mário Soares, que morreu há um ano e ali está enterrado.

A cerimónia será promovida pela Câmara Municipal de Lisboa e pelo respetivo presidente, Fernando Medina. Estão também previstas intervenções dos dois filhos do fundador do PS, Isabel e João Soares.

O tributo decorrerá junto ao jazigo onde foi depositado o corpo do ex-Presidente da República (bem como o da sua mulher, Maria Barroso).

A seguir a esta homenagem será inaugurada na capela do cemitério uma exposição com 49 fotografias de 49 fotógrafos que cobriram há um ano as cerimónias fúnebres de Mário Soares.

O fundador do PS e ex-Presidente da República morreu em 7 de janeiro de 2017, com 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde se encontrava internado desde 13 de dezembro (tendo entrado em coma profundo dias depois, do qual não mais recuperou).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.