Só a partir de 2019 se vão começar a sentir melhorias na Carris

CEO da empresa pública lembra que demora tempo a recupera do desinvestimento feito em sete anos

No final do primeiro ano com gestão camarária, a Carris já encomendou novos autocarros, está a preparar uma rede de ligações de bairros, mas os utilizadores só devem sentir uma verdadeira melhoria nos serviços a partir de 2019, quando chegarem os novos veículos. A garantia foi dada pelo CEO da empresa pública de transporte, Tiago Lopes Farias, na conferência Cidades e Mobilidade, que assinala os 153 do Diário de Notícias.

"É um plano ambicioso para quatro anos em que pretendemos devolver aquilo que se perdeu em sete anos de desinvestimento", apontou.

O responsável da Carris falou ainda da necessidade de se criarem soluções integradas de transportes públicos. "Vai ser necessário um grande investimento, mas vai levar a que as pessoas usem melhor o carro." Tiago Lopes Farias referia-se à necessidade de integrar os transportes públicos com as novas soluções como os veículos partilhados. "Nos próximos anos as cidades vão fervilhar com estas soluções conectadas e elétricas."

O gestor considerou ainda fundamental para o desenvolvimento da Carris a passagem da gestão para a autarquia. Considerando que esta está consciente que "os transportes públicos não conseguem sobreviver apenas financiado com os tarifários". "É importante o investimento que está a ser feito, mas leva tempo", alertou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.