Só a partir de 2019 se vão começar a sentir melhorias na Carris

CEO da empresa pública lembra que demora tempo a recupera do desinvestimento feito em sete anos

No final do primeiro ano com gestão camarária, a Carris já encomendou novos autocarros, está a preparar uma rede de ligações de bairros, mas os utilizadores só devem sentir uma verdadeira melhoria nos serviços a partir de 2019, quando chegarem os novos veículos. A garantia foi dada pelo CEO da empresa pública de transporte, Tiago Lopes Farias, na conferência Cidades e Mobilidade, que assinala os 153 do Diário de Notícias.

"É um plano ambicioso para quatro anos em que pretendemos devolver aquilo que se perdeu em sete anos de desinvestimento", apontou.

O responsável da Carris falou ainda da necessidade de se criarem soluções integradas de transportes públicos. "Vai ser necessário um grande investimento, mas vai levar a que as pessoas usem melhor o carro." Tiago Lopes Farias referia-se à necessidade de integrar os transportes públicos com as novas soluções como os veículos partilhados. "Nos próximos anos as cidades vão fervilhar com estas soluções conectadas e elétricas."

O gestor considerou ainda fundamental para o desenvolvimento da Carris a passagem da gestão para a autarquia. Considerando que esta está consciente que "os transportes públicos não conseguem sobreviver apenas financiado com os tarifários". "É importante o investimento que está a ser feito, mas leva tempo", alertou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.