Serviço Nacional de Saúde prepara-se para "executar a morte". É "inaceitável"

Cristas dedicou discurso de encerramento das jornadas parlamentares do CDS ao assunto da eutanásia

A líder do CDS-PP considerou esta terça-feira inaceitável que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) possa passar a ter "uma nova prestação" de serviço, a de "executar a morte", numa referência à possibilidade de aprovação da legalização da eutanásia.

"Uma lei que trata simplesmente de criar no SNS - aquele Serviço Nacional de Saúde que queremos desenvolver e acarinhar para tratar as pessoas e dar qualidade de vida até ao fim dos seus dias -- se prepara para passar a ter uma nova prestação, que já não é tratar, já não é tirar a dor, é antecipar a morte, é executar morte. Isso nós não aceitamos, nem achamos admissível", criticou.

Na intervenção de encerramento das jornadas parlamentares do CDS-PP, em Viana do Castelo, Assunção Cristas classificou a área da saúde "como uma das mais críticas" da governação, apontando uma "degradação generalizado dos serviços públicos".

Olhando para trás, comparando momentos, hoje sem 'troika', sem crise, estamos bem pior nesse domínio do que estávamos há cinco anos atrás e isso não é aceitável

Lamentando a falta de uma rede de cuidados paliativos de qualidade no sistema público, Cristas criticou que sejam os partidos que apoiem um Governo, "que não é capaz de dar um impulso significativo aos cuidados paliativos", que se preparem para votar a legalização da eutanásia.

Quatro projetos de lei para despenalizar e regular a morte medicamente assistida em Portugal -- de PAN, BE, PS e PEV - vão ser debatidos e votados, na generalidade, em 29 de maio na Assembleia da República

"Numa sociedade que tem tanto para trabalhar, tanto para acolher, acarinhar, uma população que precisa de um SNS com condições, com cuidados paliativos, não aceitamos que o foco de repente se vire para outro lado", afirmou Cristas.

A presidente do CDS-PP disse que a eutanásia apenas é legal em dois países europeus e tem sido rejeitada por países como Finlândia ou Inglaterra e recordou avisos de um cidadão holandês -- um dos países onde é legal a morte assistida -- numa iniciativa dos centristas.

Numa intervenção de menos de vinte minutos, Cristas passou em revista os principais temas das jornadas, que tiveram por tema "Portugal: a Europa e o Mar", e duas áreas onde considera que o partido tem liderado a agenda, a justiça e o interior.

Sobre justiça, a líder do CDS-PP lembrou que o partido tem propostas apresentadas no parlamento há três meses e que aguardam por iniciativas de outros partidos para começar o debate.

"Na altura todos vieram dizer que havia muito para fazer, mas continuamos à espera que os outros partidos venham a jogo", alertou, salientando que, entretanto, o partido já anunciou a criação de um fórum para a reforma da justiça, liderado pelo professor universitário Rui Medeiros.

Sobre o interior, Assunção Cristas reiterou a intenção do CDS-PP pegar nas propostas apresentadas pelo Movimento para o Interior e transformá-las em iniciativas legislativas.

"Continuaremos a liderar também na denúncia de um Governo que faz uma austeridade completamente escondida, encapotada, que não diz a verdade a todos", criticou, voltando a repetir que o executivo está "refém do ministro das Finanças Mário Centeno".

Para Cristas, a ambição do CDS-PP de "liderar em várias matérias" tem como objetivo que "um dia todos os portugueses" possam confiar no partido em termos eleitorais.

"Não temos medo e temos coragem, não temos medo de ser politicamente incorretos", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.