Serviço Nacional de Saúde prepara-se para "executar a morte". É "inaceitável"

Cristas dedicou discurso de encerramento das jornadas parlamentares do CDS ao assunto da eutanásia

A líder do CDS-PP considerou esta terça-feira inaceitável que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) possa passar a ter "uma nova prestação" de serviço, a de "executar a morte", numa referência à possibilidade de aprovação da legalização da eutanásia.

"Uma lei que trata simplesmente de criar no SNS - aquele Serviço Nacional de Saúde que queremos desenvolver e acarinhar para tratar as pessoas e dar qualidade de vida até ao fim dos seus dias -- se prepara para passar a ter uma nova prestação, que já não é tratar, já não é tirar a dor, é antecipar a morte, é executar morte. Isso nós não aceitamos, nem achamos admissível", criticou.

Na intervenção de encerramento das jornadas parlamentares do CDS-PP, em Viana do Castelo, Assunção Cristas classificou a área da saúde "como uma das mais críticas" da governação, apontando uma "degradação generalizado dos serviços públicos".

Olhando para trás, comparando momentos, hoje sem 'troika', sem crise, estamos bem pior nesse domínio do que estávamos há cinco anos atrás e isso não é aceitável

Lamentando a falta de uma rede de cuidados paliativos de qualidade no sistema público, Cristas criticou que sejam os partidos que apoiem um Governo, "que não é capaz de dar um impulso significativo aos cuidados paliativos", que se preparem para votar a legalização da eutanásia.

Quatro projetos de lei para despenalizar e regular a morte medicamente assistida em Portugal -- de PAN, BE, PS e PEV - vão ser debatidos e votados, na generalidade, em 29 de maio na Assembleia da República

"Numa sociedade que tem tanto para trabalhar, tanto para acolher, acarinhar, uma população que precisa de um SNS com condições, com cuidados paliativos, não aceitamos que o foco de repente se vire para outro lado", afirmou Cristas.

A presidente do CDS-PP disse que a eutanásia apenas é legal em dois países europeus e tem sido rejeitada por países como Finlândia ou Inglaterra e recordou avisos de um cidadão holandês -- um dos países onde é legal a morte assistida -- numa iniciativa dos centristas.

Numa intervenção de menos de vinte minutos, Cristas passou em revista os principais temas das jornadas, que tiveram por tema "Portugal: a Europa e o Mar", e duas áreas onde considera que o partido tem liderado a agenda, a justiça e o interior.

Sobre justiça, a líder do CDS-PP lembrou que o partido tem propostas apresentadas no parlamento há três meses e que aguardam por iniciativas de outros partidos para começar o debate.

"Na altura todos vieram dizer que havia muito para fazer, mas continuamos à espera que os outros partidos venham a jogo", alertou, salientando que, entretanto, o partido já anunciou a criação de um fórum para a reforma da justiça, liderado pelo professor universitário Rui Medeiros.

Sobre o interior, Assunção Cristas reiterou a intenção do CDS-PP pegar nas propostas apresentadas pelo Movimento para o Interior e transformá-las em iniciativas legislativas.

"Continuaremos a liderar também na denúncia de um Governo que faz uma austeridade completamente escondida, encapotada, que não diz a verdade a todos", criticou, voltando a repetir que o executivo está "refém do ministro das Finanças Mário Centeno".

Para Cristas, a ambição do CDS-PP de "liderar em várias matérias" tem como objetivo que "um dia todos os portugueses" possam confiar no partido em termos eleitorais.

"Não temos medo e temos coragem, não temos medo de ser politicamente incorretos", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.