SNS coloca Centeno sob fogo cerrado no Parlamento

Demora nas consultas de especialidade e atender crianças com cancro nos corredores do Hospital de São João vão dominar audição

O impacto da política orçamental na Saúde vai dominar a audição desta quarta-feira do ministro das Finanças, Mário Centeno, no Parlamento, após a oposição ter esta terça-feira, em bloco, a forma como são atendidas as crianças com cancro no Hospital de São João (Porto) ou os tempos de espera por consultas da especialidade em vários hospitais do país.

O PS foi a exceção. Embora assumindo o seu desagrado com essas realidades, em particular com a situação da ala pediátrica no São João (inicialmente noticiada pelo JN), o deputado António Sales sublinhou ao DN que as demoras de consultas de especialidade divulgadas por este jornal devem-se maioritariamente a "carências de recursos humanos e ao aumento do acesso" dos cidadãos aos hospitais públicos. O importante, frisou, é que "os tempos de resposta a nível global têm diminuído".

Carla Cruz (PCP) adiantou ao DN que essa questão "não é de hoje" e que o partido questionou o governo há um mês sobre isso. "É preciso que o governo PS entenda" a necessidade de investir em mais meios humanos e materiais para os hospitais públicos, permitindo ao SNS "responder de forma cabal" aos cidadãos, sublinhou a deputada, dizendo que os comunistas querem ouvir o ministro da Saúde e o conselho de administração do São João no Parlamento sobre o facto de as crianças com cancro receberem tratamento nos corredores desse hospital.

Este caso levou o PSD e o CDS a enviarem perguntas escritas aos ministros da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e das Finanças. Nuno Magalhães, que disse ter reagido "com indignação", afirmou ao DN que os centristas vão "perguntar de viva voz" ao ministro Mário Centeno "se conhece ou se admite que haja crianças a ser tratadas desta forma indigna" num hospital português e porque "não desbloqueou a verba necessária" para construir a nova ala pediátrica oncológica no São João.

Protocolo assinado há meses para a obra

O presidente do hospital disse que existe "um protocolo assinado" há meses com a tutela para edificar essa obra. "Temos um projeto pronto para entrar em execução e não temos o dinheiro libertado que torne possível a execução desse projeto", explicou António Oliveira e Silva aos jornalistas.

Indignado mostrou-se também Ricardo Baptista Leite (PSD), para quem Mário Centeno "é de facto o ministro da Saúde em funções". Centeno "é aquele que está a tomar decisões na saúde e temos um Ministério da Saúde que está refém quer da extrema-esquerda quer, sobretudo, das decisões do ministro das Finanças, que tem uma agenda pessoal e coloca o défice acima da saúde dos portugueses", acusou o deputado social-democrata.

Perante a dureza das críticas de PSD e CDS, António Sales lamentou "a forma deplorável" como a oposição "tem feito aproveitamento político" daquele caso em vez de escolher os fóruns próprios para esse efeito. "As crianças [naquele hospital] não estão assim há dois ou três anos", é uma realidade anterior a que sociais-democratas e centristas "fecharam os olhos" quando estavam no governo, sustentou o socialista.

Não podemos admitir situações de tratamento feitas em corredores

O BE e o PCP também criticaram e exigiram o rápido desbloqueamento das verbas necessárias para a construção da ala pediátrica naquele hospital do Porto. "Não podemos admitir situações de tratamento" a crianças com cancro "feitas em corredores" hospitalares ou "internamentos pediátricos em contentores", afirmou o deputado bloquista Moisés Ferreira.

Para a comunista Carla Cruz, "estas situações são fruto de opções políticas de sucessivos governos" que subfinanciaram o SNS. "Não contratam profissionais suficientes, não os valorizam devidamente nem fazem os investimentos necessários em infraestruturas e equipamentos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.