SNS coloca Centeno sob fogo cerrado no Parlamento

Demora nas consultas de especialidade e atender crianças com cancro nos corredores do Hospital de São João vão dominar audição

O impacto da política orçamental na Saúde vai dominar a audição desta quarta-feira do ministro das Finanças, Mário Centeno, no Parlamento, após a oposição ter esta terça-feira, em bloco, a forma como são atendidas as crianças com cancro no Hospital de São João (Porto) ou os tempos de espera por consultas da especialidade em vários hospitais do país.

O PS foi a exceção. Embora assumindo o seu desagrado com essas realidades, em particular com a situação da ala pediátrica no São João (inicialmente noticiada pelo JN), o deputado António Sales sublinhou ao DN que as demoras de consultas de especialidade divulgadas por este jornal devem-se maioritariamente a "carências de recursos humanos e ao aumento do acesso" dos cidadãos aos hospitais públicos. O importante, frisou, é que "os tempos de resposta a nível global têm diminuído".

Carla Cruz (PCP) adiantou ao DN que essa questão "não é de hoje" e que o partido questionou o governo há um mês sobre isso. "É preciso que o governo PS entenda" a necessidade de investir em mais meios humanos e materiais para os hospitais públicos, permitindo ao SNS "responder de forma cabal" aos cidadãos, sublinhou a deputada, dizendo que os comunistas querem ouvir o ministro da Saúde e o conselho de administração do São João no Parlamento sobre o facto de as crianças com cancro receberem tratamento nos corredores desse hospital.

Este caso levou o PSD e o CDS a enviarem perguntas escritas aos ministros da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e das Finanças. Nuno Magalhães, que disse ter reagido "com indignação", afirmou ao DN que os centristas vão "perguntar de viva voz" ao ministro Mário Centeno "se conhece ou se admite que haja crianças a ser tratadas desta forma indigna" num hospital português e porque "não desbloqueou a verba necessária" para construir a nova ala pediátrica oncológica no São João.

Protocolo assinado há meses para a obra

O presidente do hospital disse que existe "um protocolo assinado" há meses com a tutela para edificar essa obra. "Temos um projeto pronto para entrar em execução e não temos o dinheiro libertado que torne possível a execução desse projeto", explicou António Oliveira e Silva aos jornalistas.

Indignado mostrou-se também Ricardo Baptista Leite (PSD), para quem Mário Centeno "é de facto o ministro da Saúde em funções". Centeno "é aquele que está a tomar decisões na saúde e temos um Ministério da Saúde que está refém quer da extrema-esquerda quer, sobretudo, das decisões do ministro das Finanças, que tem uma agenda pessoal e coloca o défice acima da saúde dos portugueses", acusou o deputado social-democrata.

Perante a dureza das críticas de PSD e CDS, António Sales lamentou "a forma deplorável" como a oposição "tem feito aproveitamento político" daquele caso em vez de escolher os fóruns próprios para esse efeito. "As crianças [naquele hospital] não estão assim há dois ou três anos", é uma realidade anterior a que sociais-democratas e centristas "fecharam os olhos" quando estavam no governo, sustentou o socialista.

Não podemos admitir situações de tratamento feitas em corredores

O BE e o PCP também criticaram e exigiram o rápido desbloqueamento das verbas necessárias para a construção da ala pediátrica naquele hospital do Porto. "Não podemos admitir situações de tratamento" a crianças com cancro "feitas em corredores" hospitalares ou "internamentos pediátricos em contentores", afirmou o deputado bloquista Moisés Ferreira.

Para a comunista Carla Cruz, "estas situações são fruto de opções políticas de sucessivos governos" que subfinanciaram o SNS. "Não contratam profissionais suficientes, não os valorizam devidamente nem fazem os investimentos necessários em infraestruturas e equipamentos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.