Sindicato alerta para agressões a trabalhadores do aeroporto

Sitava já uma reunião com a administração da Groundforce, que está agendada para segunda-feira, e também ao Ministério da Administração Interna

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) alertou nesta quinta-feira para sucessivas agressões a trabalhadores da Groundforce nas portas de embarque do aeoporto de Lisboa, referindo "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano.

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sitava, Fernando Henriques, explicou que as agressões estão relacionadas com a falta de condições do aeroporto Humberto Delgado, mas sobretudo com a política de 'overbooking' (venda de mais bilhetes do que os lugares disponíveis) das companhias aéreas, em "99%" dos casos com voos da TAP.

"No passado domingo houve mais um episódio com trabalhadores da Groundforce junto a uma porta de embarque no aeroporto de Lisboa", disse, referindo que "têm-se sucedido agressões a trabalhadores da SPdH/Groundforce no aeroporto de Lisboa sem que haja a devida salvaguarda das suas condições de segurança por parte das entidades responsáveis".

Neste sentido, o Sitava pediu já uma reunião com a administração da Groundforce, que está agendada para segunda-feira, e também ao Ministério da Administração Interna.

De acordo com o dirigente sindical, "a situação assumiu uma proporção muito complicada, com pessoas com medo de ir trabalhar, com receio que as situações se repitam".

Fernando Henriques defende que tem que haver um reforço da segurança junto às portas de embarque, bem como consequências para os passageiros que protagonizam episódios violentos, como uma lista negra com seus nomes, ficando impedidos de voar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.