Sampaio diz que "paralisia" da ONU tem impedido negociações de paz

O ex-Presidente da República portuguesa falou em riscos com o abandono dos EUA do acordo nuclear com o Irão

O antigo Presidente português Jorge Sampaio afirmou esta quinta-feira à agência Lusa que a "paralisia geral" do Conselho de Segurança da ONU "tem mostrado, infelizmente" incapacidade para se avançar para negociações de paz na Síria.

Em declarações à Lusa à margem de um ato oficial, em Lisboa, Sampaio, Presidente português entre 1996 e 2006, considerou ser essa a razão pela qual as Nações Unidas têm um trabalho "muito difícil" para resolver a crise síria, defendendo que há alternativa à guerra e que tal só pode passar por uma solução político-diplomática.

"O que acho que pode mudar na Síria? Neste momento, confesso que não acho nada. Até porque acho que a situação está a evoluir muito rapidamente, há um realinhamento dos grandes interesses na região, interesses obviamente de salvaguarda do regime sírio", referiu o antigo Alto-comissário da ONU para o Diálogo de Civilizações.

Para o também presidente da Plataforma Global de Apoio a Estudantes Sírios, o apoio da Rússia ao regime de Damasco tem sido importante para essa salvaguarda dos interesses sírios, numa altura em que a intervenção dos Estados Unidos "está a ser discretamente arredada de qualquer possibilidade de ação".

Sampaio aludia desta forma à recente transferência da embaixada norte-americana em Israel de Telavive para Jerusalém, o que, no seu entender, "precipita e faz desaparecer as possibilidades que os Estados Unidos eventualmente poderiam ter de se constituírem como "ponte entre os vários interesses".

"Manifestamente, não o vão ser no imediato mais próximo", realçou.

"Por outro lado, com a proliferação dos mais diferentes grupos que existem na Síria -- tão depressa são da oposição ao regime como do regime (...) -, é extremamente complicado perceber qual é a solução política -- o ideal seria uma Síria unida -, que se pode obter", sustentou.

"É um grande trabalho para as Nações Unidas, é muito difícil, com a paralisia geral que o Conselho de Segurança [da ONU] tem mostrado, infelizmente, sobre a possibilidade de avançar para as negociações diplomáticas. Não acredito noutra coisa que não seja uma solução político diplomática", disse o antigo chefe de Estado, acrescentando: "Já chega de sofrimento".

Jorge Sampaio acrescentou não ver atualmente, e tendo em conta os fatores existentes "como se pode ter alguma esperança séria" para que a paz possa ser alcançada na Síria num futuro próximo.

Questionado sobre o que pensa do papel que os Estados Unidos têm estado a desempenhar no Médio Oriente, em geral, destacou que Washington, com a política do "America First" (América Primeiro) poderá estar a perder "alguns dos seus aliados tradicionais" na região.

"Podemos estar a assistir a um 'trumpismo' [do presidente norte-americano, Donald Trump], que, colocando os interesses norte-americanos acima de quaisquer outros, fecha aos Estados Unidos as possibilidades de atuação em termos de política externa. Mas espero que não. Os Estados Unidos são uma componente indispensável no multilateralismo internacional", declarou.

Questionado se ao extremismo de Trump se pode juntar o do Presidente da Rússia, Vladimir Putin, o antigo chefe de Estado português admitiu que sim.

"Putin tem estado muito calmo, porque as coisas estão a desenrolar-se com o menor custo possível, da maneira a recuperar um 'pé' que tinham perdido naquela zona do mundo", considerou.

Jorge Sampaio referiu ainda que o mundo corre "sérios riscos" após os EUA terem abandonado o acordo nuclear com o Irão, que "com todas as eventuais falhas que pudesse ter, não tem substituto".

"Quando não há substituto na política há um vazio que se cria", argumentou.

Sampaio elogiou ainda a "grande contenção e grande reafirmação" de Teerão sobre a necessidade de se cumprir o acordado.

"Ninguém disse que não têm de cumprir. Disseram que não têm cumprido, mas não disseram em quê. Esperemos que esta contenção perdure, esperemos que a contenção da UE perdure, e esperemos que os Estados Unidos - sou mais pessimista a esse respeito - mantenham a contenção necessária numa altura destas", concluiu.

Por outro lado, para Sampaio, a União Europeia (UE) não pode alienar a relação com os Estados Unidos nem pode ir mais além do que já foi.

"Precisa sempre do contexto NATO, precisa sempre das relações com os Estados Unidos e estes, entretanto, vão fazendo à volta do seu excecionalismo aquilo que muito bem têm entendido. Tenho um certo pessimismo sobre esta coisa do à beira do abismo em que estamos. Estamos a brincar com o fogo e esperemos que haja alguns sinais positivos noutras partes do mundo, vamos a ver", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.