Tancos regressa à campanha com troca de acusações entre PS e PSD

Em causa está o relatório dos serviços de informações militares sobre o furto de armamento da base de Tancos, noticiado no sábado

O relatório dos serviços de informações militares noticiado no sábado continuou esta segunda-feira a 'atravessar' a campanha para as autárquicas, com o líder do PSD a desafiar o ministro da Defesa a esclarecer porque disse ser um documento fabricado.

"Quando se diz que alguma coisa é fabricada e tem propósitos políticos, a primeira interpretação é que alguém maldosamente no espaço político está a querer criar embaraços políticos ao Governo, não vejo quem possa ser, mas cabe ao ministro esclarecer", disse o presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho, na primeira ação de campanha do dia, em Fafe, no distrito de Braga.

Em declarações à agência Lusa no domingo, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, admitiu que o noticiado relatório dos serviços de informações militares sobre o furto de armamento da base de Tancos tenha sido fabricado e que possam existir "objetivos políticos" na sua divulgação.

Recusando fazer "insinuações ou sugestões", Passos Coelho considerou ainda que "há responsabilidade do Governo que não está a ser tomada".

"O Governo tem sido desastroso e desastrado a gerir esta matéria", acusou.

Com a caravana socialista a só 'arrancar' ao final da tarde para a campanha, com uma iniciativa em Águeda, coube ao vice-presidente da bancada do PS Pedro Delgado Alves responder, acusando o PSD de estar envolvido na divulgação e na tentativa de credibilização de um relatório sem qualquer suporte real sobre o furto de armas em Tancos para criar "chicana política" em período eleitoral.

"O PSD tem de explicar qual o motivo para ter contribuído de forma irresponsável - numa atitude que não é compaginável com o seu papel de partido estruturante da democracia - na divulgação e tentativa de credibilização de algo que não tem suporte na realidade", criticou.

Posteriormente, em declarações à Lusa, o deputado social-democrata Sérgio Azevedo repudiou as "insinuações torpes e fantasiosas do Governo e do PS" sobre um alegado envolvimento do PSD na divulgação de um relatório atribuído pelo Expresso a "serviços de informações militares".

Em campanha pela cidade do Porto, o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, foi moderado nos comentários ao caso, reiterando que merece cabal esclarecimento: "Faça-se o apuramento da verdade toda", pediu Jerónimo de Sousa.

As eleições alemãs de domingo, que deram um resultado histórico à extrema-direita, que chega ao parlamento pela primeira vez desde a II Guerra Mundial e torna-se a terceira força política, entraram também nos comentários que os líderes partidários vão fazendo à margem da campanha para as autárquicas, com o líder do PSD a admitir que "não se "adivinha fácil" a formação do Governo.

A CDU chanceler alemã, Angela Merkel, venceu as eleições com 33% dos votos, menos que os 41,5% conseguidos há quatro anos, preparando-se para cumprir o seu quarto mandato. Em terceiro lugar ficou a AfD, com 12,6% dos votos. O partido, com apenas quatro anos, é o primeiro à direita dos conservadores a entrar no parlamento em 60 anos.

Pelo BE, a coordenadora nacional, Catarina Martins, em campanha pelo distrito de Setúbal, considerou o resultado "um enorme sinal de alerta" sobre a situação europeia, com a extrema-direita a "cavalgar o descontentamento das pessoas" por falta de resposta do "centrão".

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, em campanha por Lisboa, onde também é candidata, expressou igualmente preocupação pelo crescimento da extrema-direita, sublinhando que "derivas radicais à esquerda e à direita não são boas, não têm boas experiências históricas".

"O futuro está na mão dos portugueses e não na Alemanha. Ao contrário daquilo que alguns afirmam, prefiro acreditar mais no meu povo do que propriamente na Alemanha", disse, por seu lado, o líder comunista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.