Agressões no aeroporto. Sindicatos e Groundforce querem reunir-se com MAI

"Está a haver uma escalada de violência", diz o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava)

Os sindicatos e a administração da Groundforce decidiram participar juntos na reunião pedida com o Ministério da Administração Interna (MAI), na sequência das repetidas agressões a trabalhadores junto das portas de embarque.

A Groundforce informou à agência Lusa que todos, incluindo os seis sindicatos representantes dos trabalhadores, estão "todos absolutamente alinhados quanto ao diagnóstico e às ações que consideram necessárias: aumento do efetivo policial e alteração do enquadramento legal da agressão ao agente aeroportuário".

"O que ficou combinado foi, juntos - empresa e representantes dos sindicatos - deslocarem-se à audiência com o ministro da Administração Interna, que foi pedida na sexta-feira quando esta for agendada", segundo fonte oficial da empresa, dias depois de se repetirem agressões a trabalhadores.

Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, informou esta segunda-feira que no fim de semana registaram-se três casos de agressões, duas das quais no domingo, "sempre em voos TAP".

"Os problemas hoje são diários e no domingo, pela primeira vez, houve duas agressões no mesmo dia. Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP", disse.

Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo

Segundo o dirigente sindical, a companhia aérea tem repetido situações de 'overbooking' (venda legal de mais bilhetes do que lugares disponíveis) e de cancelamentos.

"Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo porque em condições normais, com os voos todos a fazerem-se, a maioria está em 'overbooking'. Agora imagine-se com 10% da operação cancelada, como foi no domingo, com mais de 40 voos cancelados, potencia-se as irregularidades e as altercações", assinalou à Lusa.

O sindicalista notou as dificuldades dos passageiros entenderem que o funcionário que "dá a cara" nem é da TAP, mas da Groundforce, apesar de envergar a farda ser da transportadora nacional.

Funcionária ficou em "baixa psicológica durante uns dias" depois de ter sido agredida

Fernando Henriques defendeu também que o aumento do número de passageiros e da operação deve levar a um "aumento das condições de segurança dos trabalhadores e das instalações", recordando o caso da "agressão grave" em que uma funcionária foi projetada contra uma porta de emergência que dá acesso à placa do aeroporto.

Essa funcionária foi agredida no dia 17, "esteve umas horas largas no hospital" e "acabou por ficar em baixa psicológica durante uns dias".

Ao seu telefone têm chegado mensagens de trabalhadores a "manifestarem receio", sobretudo quando são escalados para assistência a portas de embarque de voos em 'overbooking'.

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano

No imediato, o Sitava quer que "seja tomada uma medida excecional que eleve o nível de ameaça e de segurança do aeroporto de Lisboa, através de um reforço de meios, com outros efetivos policiais".

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano.

A Lusa aguarda comentários da ANA e da PSP de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.