Agressões no aeroporto. Sindicatos e Groundforce querem reunir-se com MAI

"Está a haver uma escalada de violência", diz o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava)

Os sindicatos e a administração da Groundforce decidiram participar juntos na reunião pedida com o Ministério da Administração Interna (MAI), na sequência das repetidas agressões a trabalhadores junto das portas de embarque.

A Groundforce informou à agência Lusa que todos, incluindo os seis sindicatos representantes dos trabalhadores, estão "todos absolutamente alinhados quanto ao diagnóstico e às ações que consideram necessárias: aumento do efetivo policial e alteração do enquadramento legal da agressão ao agente aeroportuário".

"O que ficou combinado foi, juntos - empresa e representantes dos sindicatos - deslocarem-se à audiência com o ministro da Administração Interna, que foi pedida na sexta-feira quando esta for agendada", segundo fonte oficial da empresa, dias depois de se repetirem agressões a trabalhadores.

Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, informou esta segunda-feira que no fim de semana registaram-se três casos de agressões, duas das quais no domingo, "sempre em voos TAP".

"Os problemas hoje são diários e no domingo, pela primeira vez, houve duas agressões no mesmo dia. Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP", disse.

Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo

Segundo o dirigente sindical, a companhia aérea tem repetido situações de 'overbooking' (venda legal de mais bilhetes do que lugares disponíveis) e de cancelamentos.

"Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo porque em condições normais, com os voos todos a fazerem-se, a maioria está em 'overbooking'. Agora imagine-se com 10% da operação cancelada, como foi no domingo, com mais de 40 voos cancelados, potencia-se as irregularidades e as altercações", assinalou à Lusa.

O sindicalista notou as dificuldades dos passageiros entenderem que o funcionário que "dá a cara" nem é da TAP, mas da Groundforce, apesar de envergar a farda ser da transportadora nacional.

Funcionária ficou em "baixa psicológica durante uns dias" depois de ter sido agredida

Fernando Henriques defendeu também que o aumento do número de passageiros e da operação deve levar a um "aumento das condições de segurança dos trabalhadores e das instalações", recordando o caso da "agressão grave" em que uma funcionária foi projetada contra uma porta de emergência que dá acesso à placa do aeroporto.

Essa funcionária foi agredida no dia 17, "esteve umas horas largas no hospital" e "acabou por ficar em baixa psicológica durante uns dias".

Ao seu telefone têm chegado mensagens de trabalhadores a "manifestarem receio", sobretudo quando são escalados para assistência a portas de embarque de voos em 'overbooking'.

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano

No imediato, o Sitava quer que "seja tomada uma medida excecional que eleve o nível de ameaça e de segurança do aeroporto de Lisboa, através de um reforço de meios, com outros efetivos policiais".

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano.

A Lusa aguarda comentários da ANA e da PSP de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.