Agressões no aeroporto. Sindicatos e Groundforce querem reunir-se com MAI

"Está a haver uma escalada de violência", diz o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava)

Os sindicatos e a administração da Groundforce decidiram participar juntos na reunião pedida com o Ministério da Administração Interna (MAI), na sequência das repetidas agressões a trabalhadores junto das portas de embarque.

A Groundforce informou à agência Lusa que todos, incluindo os seis sindicatos representantes dos trabalhadores, estão "todos absolutamente alinhados quanto ao diagnóstico e às ações que consideram necessárias: aumento do efetivo policial e alteração do enquadramento legal da agressão ao agente aeroportuário".

"O que ficou combinado foi, juntos - empresa e representantes dos sindicatos - deslocarem-se à audiência com o ministro da Administração Interna, que foi pedida na sexta-feira quando esta for agendada", segundo fonte oficial da empresa, dias depois de se repetirem agressões a trabalhadores.

Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava), Fernando Henriques, informou esta segunda-feira que no fim de semana registaram-se três casos de agressões, duas das quais no domingo, "sempre em voos TAP".

"Os problemas hoje são diários e no domingo, pela primeira vez, houve duas agressões no mesmo dia. Está a haver uma escalada de violência e é inevitável que haja reações das entidades responsáveis: do aeroporto, da PSP", disse.

Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo

Segundo o dirigente sindical, a companhia aérea tem repetido situações de 'overbooking' (venda legal de mais bilhetes do que lugares disponíveis) e de cancelamentos.

"Estamos a falar de um barril de pólvora e de um cocktail explosivo porque em condições normais, com os voos todos a fazerem-se, a maioria está em 'overbooking'. Agora imagine-se com 10% da operação cancelada, como foi no domingo, com mais de 40 voos cancelados, potencia-se as irregularidades e as altercações", assinalou à Lusa.

O sindicalista notou as dificuldades dos passageiros entenderem que o funcionário que "dá a cara" nem é da TAP, mas da Groundforce, apesar de envergar a farda ser da transportadora nacional.

Funcionária ficou em "baixa psicológica durante uns dias" depois de ter sido agredida

Fernando Henriques defendeu também que o aumento do número de passageiros e da operação deve levar a um "aumento das condições de segurança dos trabalhadores e das instalações", recordando o caso da "agressão grave" em que uma funcionária foi projetada contra uma porta de emergência que dá acesso à placa do aeroporto.

Essa funcionária foi agredida no dia 17, "esteve umas horas largas no hospital" e "acabou por ficar em baixa psicológica durante uns dias".

Ao seu telefone têm chegado mensagens de trabalhadores a "manifestarem receio", sobretudo quando são escalados para assistência a portas de embarque de voos em 'overbooking'.

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano

No imediato, o Sitava quer que "seja tomada uma medida excecional que eleve o nível de ameaça e de segurança do aeroporto de Lisboa, através de um reforço de meios, com outros efetivos policiais".

Na semana passada, o sindicato tinha já revelado o registo de "mais de uma dezena de episódios" desde o início do ano.

A Lusa aguarda comentários da ANA e da PSP de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.