Governo responde com nova proposta aos sindicatos

É a contraproposta à contraproposta que os sindicatos apresentaram antes do jantar

Decorre um longo serão negocial no Ministério da Educação. Perto das 2:00 da madrugada, o Governo apresentou aos sindicatos uma nova proposta para a progressão de carreiras dos professores. Isto depois de, antes do jantar, os representantes sindicais já terem avançado com uma contraproposta, após terem reunido, separadamente, para analisar o documento que lhe fora entregue pelas secretárias de Estado adjunta e da Educação e da Administração e Emprego Público, Alexandra Leitão e Fátima Fonseca.

Não se conhece quais são os termos desta mais recente proposta. É no entanto quase certo que o governo insistirá em que o eventual reposicionamento dos docentes com base no tempo de serviço congelado não produza efeitos em 2018, vincando que mesmo sem essa contabilização vão progredir no próximo ano cerca de 47 mil docentes, com um custo de 90 milhões.

Já em relação à eventual contagem desse tempo de forma faseada, a começar já na presente legislatura, tudo parecia estar encaminhado na sequência da reunião de ontem com a Fenprof. Mas as palavras do ministro das Finanças, Mário Centeno, no Parlamento, negando qualquer contagem retroativa do tempo de serviço, veio lançar dúvidas.

Entretanto, às 21.00, o Bloco de Esquerda entregou no Parlamento uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado, contemplando a contagem integral do tempo de serviço congelado dos docentes e de outras carreiras semelhantes, além da produção de efeitos dessa medida já nesta legislatura.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.