Sindicato reclama mais 200 inspetores para o SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) precisa de contratar 200 novos inspetores, pelas contas do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização (SCIF) do SEF, que terminou hoje o seu XV congresso, em Oeiras.

"O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras necessita, com a máxima urgência, de cerca de duas centenas de novos inspetores. Durante dez anos não se registou uma única admissão", frisou, em comunicado de imprensa, o presidente do SCIF, Acácio Pereira.

O sindicalista criticou a atitude do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, por ter dito, em declarações à Lusa, que "não há falta de inspetores" no SEF e que os serviços "estão a funcionar como deve ser".

Acácio Pereira considerou também que Miguel Macedo fez um "número mediático" ao anunciar na comunicação social um acréscimo de 45 ou 46 inspetores, a partir do próximo ano.

O sindicalista acusou o ministro de "desprezar completamente o esforço de todos os inspetores ao longo dos últimos anos, sobretudo daqueles que trabalham nas áreas mais críticas, para colmatar as lacunas" e de mostrar "ligeireza" em relação ao serviço.

"Um ministro que, neste momento, diz não existirem problemas de falta de Inspetores no SEF perdeu o contacto com a realidade", frisou.

Nesse sentido, Acácio Pereira anunciou que o SCIF-SEF "tomará todas as ações de luta sindical que visem resolver estes problemas", confirmando a adesão do sindicato às "ações de luta concertada das associações e sindicatos representativos das forças de segurança, nomeadamente as previstas para a próxima semana".

O presidente do SCIF destacou o "espírito de missão" dos inspetores do SEF, alegando que colmatam as lacunas existentes com "esforço pessoal", tendo em conta as dificuldades económicas e financeiras do país, e que sugeriram ao Governo que "aproveitasse o quadro de disponibilidade da Função Pública para, sem custos acrescidos para os cofres do Estado, colmatar as lacunas gritantes existentes no SEF".

Acácio Pereira salientou também que a criminalidade aumentou e se sofisticou nos últimos 10 anos, para além de se viver hoje "uma intensidade de trânsito de pessoas em Portugal sem paralelo em nenhum outro momento da história".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.