Sindicato reclama mais 200 inspetores para o SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) precisa de contratar 200 novos inspetores, pelas contas do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização (SCIF) do SEF, que terminou hoje o seu XV congresso, em Oeiras.

"O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras necessita, com a máxima urgência, de cerca de duas centenas de novos inspetores. Durante dez anos não se registou uma única admissão", frisou, em comunicado de imprensa, o presidente do SCIF, Acácio Pereira.

O sindicalista criticou a atitude do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, por ter dito, em declarações à Lusa, que "não há falta de inspetores" no SEF e que os serviços "estão a funcionar como deve ser".

Acácio Pereira considerou também que Miguel Macedo fez um "número mediático" ao anunciar na comunicação social um acréscimo de 45 ou 46 inspetores, a partir do próximo ano.

O sindicalista acusou o ministro de "desprezar completamente o esforço de todos os inspetores ao longo dos últimos anos, sobretudo daqueles que trabalham nas áreas mais críticas, para colmatar as lacunas" e de mostrar "ligeireza" em relação ao serviço.

"Um ministro que, neste momento, diz não existirem problemas de falta de Inspetores no SEF perdeu o contacto com a realidade", frisou.

Nesse sentido, Acácio Pereira anunciou que o SCIF-SEF "tomará todas as ações de luta sindical que visem resolver estes problemas", confirmando a adesão do sindicato às "ações de luta concertada das associações e sindicatos representativos das forças de segurança, nomeadamente as previstas para a próxima semana".

O presidente do SCIF destacou o "espírito de missão" dos inspetores do SEF, alegando que colmatam as lacunas existentes com "esforço pessoal", tendo em conta as dificuldades económicas e financeiras do país, e que sugeriram ao Governo que "aproveitasse o quadro de disponibilidade da Função Pública para, sem custos acrescidos para os cofres do Estado, colmatar as lacunas gritantes existentes no SEF".

Acácio Pereira salientou também que a criminalidade aumentou e se sofisticou nos últimos 10 anos, para além de se viver hoje "uma intensidade de trânsito de pessoas em Portugal sem paralelo em nenhum outro momento da história".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.