Sindicato não acredita na deslocalização do novo modelo VW da Autoeuropa

Eduardo Florindo, dirigente so Sindicato, referiu não acreditar que a marca alemã deslocalize a produção do novo modelo, T-Roc

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Ambiente do Sul (SiteSul) não acredita que questões laborais transfiram a produção do novo modelo da Volkswagen (VW) da fábrica Autoeuropa, em Palmela (Setúbal).

Em declarações à agência Lusa, Eduardo Florindo, dirigente do SiteSul, referiu não acreditar que a marca alemã deslocalize a produção do T-Roc.

"Essa pressão que está a ser feita pelos responsáveis da VW vem no sentido de pressionarem os trabalhadores a aceitarem a proposta que fizeram. Até porque quando a empresa começar a produzir a 100%, que é só em fevereiro de 2018, esperamos que as coisas se resolvam e que as partes cheguem a um acordo".

Em entrevista ao Jornal de Negócios, o diretor-geral da Autoeuropa, Miguel Sanches, admitiu que a deslocalização de parte da produção é "um cenário que pode estar em cima da mesa, mas tanto a administração, como a equipa da Autoeuropa irão fazer todo o possível para evitar esse cenário e manter toda a produção do carro em Portugal".

A greve foi marcada para contestar as propostas de alteração de horário, recordou o dirigente sindical, indicando estar em causa a "obrigatoriedade de trabalhar aos sábados durante dois anos, fora os domingos e os feriados de que ninguém fala, pelo que na prática os trabalhadores passam o tempo todo na fábrica a trabalhar".

"E o desgaste da saúde que isto provoca, numa empresa que cada vez mais tem doenças profissionais", referiu.

A cinco dias da realização da greve, o responsável indicou que nenhuma das partes tentou qualquer contacto, explicando que as conclusões do plenário de segunda-feira deverão ser enviadas à administração.

O plenário vai servir para "esclarecer as dúvidas dos trabalhadores sobre os horários e preparar a greve do dia 30", acrescentou o sindicalista.

Eduardo Florindo admitiu que se a empresa não alterar a sua posição poderá ser marcada, "mais para a frente", uma outra reunião de trabalhadores para "discutir outras formas de luta, se for necessário".

Na quinta-feira, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA) informou que se vai juntar à greve de 30 de agosto, ainda que "por razões diferentes".

No final de julho, a CT da Autoeuropa decidiu convocar uma greve a todos turnos para 30 de agosto, depois de a empresa ter anunciado que era preciso adotar novos horários para assegurar a produção de 200 mil unidades do novo modelo T-Roc na fábrica de Palmela, quase triplicando a produção atingida em 2016.

Esta situação levou a empresa a decidir a abertura de um sexto dia de produção e a contratação de cerca de 2.000 colaboradores, dos quais 750 são para implementar um sexto dia semanal de operação.

A CT e a administração chegaram então a um pré-acordo para os novos horários e turnos, que incluía uma compensação financeira de 175 euros acima do valor previsto na legislação. No entanto, esta proposta foi rejeitada pelos trabalhadores da empresa, tendo contado apenas com 23,4% de votos favoráveis num universo de 3.472 votantes, o que motivou a demissão da CT.

O SIMA dirigiu um pré-aviso de greve ao Conselho de Administração da empresa e aos ministérios do Trabalho e da Economia a informar que a paralisação vai ocorrer "das 00:00 às 24:00" da próxima quarta-feira, dia 30 de agosto, tendo o secretário-geral do sindicato, José Simões, explicado à Lusa que esta greve terá lugar "por razões diferentes".

"Nós temos um contrato coletivo assinado no setor e os outros não têm contrato coletivo nenhum. O que se passou foi que houve uma reunião com a administração da empresa, em que nos apresentaram uma proposta, depois nós apresentámos as nossas alterações e, até agora, não houve resposta", explicou José Simões na quinta-feita, sem referir quantos trabalhadores da Autoeuropa estão representados pelo SIMA.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.