Sindicato alerta para atrasos em voos no Natal por greve na segurança dos aeroportos

A paralisação decorre entre as 00:00 de domingo e as 23:59 de segunda-feira

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) estimou hoje um "impacto grande" da greve dos próximos dois dias das empresas que fazem o controlo dos passageiros, Prosegur e Securitas, falando em atrasos em voos e até cancelamentos.

"A nível de passageiros, [vai afetar] mais da parte da manhã, porque a maioria das pessoas vai viajar de manhã, mas vai ser grande" o impacto causado pela greve, disse à Lusa Paulo Alexandre, dirigente do SITAVA .

De acordo com o responsável, a paralisação, que decorre entre as 00:00 de domingo e as 23:59 de segunda-feira (véspera e dia de Natal, respetivamente) "poderá fazer atrasos nos voos e até cancelamentos".

Os trabalhadores da segurança privada dos aeroportos vão avançar com dois dias de greve para exigir melhores condições laborais.

Paulo Alexandre afirmou à Lusa que a principal reivindicação é a assinatura do Contrato Coletivo de Trabalho para estas empresas, "que já deveria ter sido aceite" pela Associação de Empresas de Segurança (AES).

"O Governo fez uma proposta, visto que a AES não aceitou as condições propostas pelo SITAVA. O próprio Estado redigiu um contrato e tentou fazer com que a AES aceitasse o contrato. Da parte do SITAVA não houve problema, mas a AES continua intransigente em relação a isso e, por causa disso, vamos fazer a greve", explicou o sindicalista.

Na sexta-feira, a ANA - Aeroportos de Portugal alertou para eventuais demoras nos procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais nos dias 24 e 25 devido à greve das empresas de segurança.

"A ANA Aeroportos de Portugal informa todos os passageiros que, em virtude da greve anunciada para as empresas de segurança e do elevado incremento de tráfego registado nos últimos meses, é previsível que os procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais sejam mais demorados durante os próximos dias 24 e 25 de dezembro", referiu a gestora aeroportuária em comunicado.

Na nota, a empresa recomendou aos passageiros que, durante os dias da greve, se apresentem no aeroporto respetivo "com maior antecedência e sigam as instruções transmitidas pela sua companhia aérea, operador turístico ou agência de viagens".

A empresa sugeriu mesmo que os passageiros "procedam ao despacho de bagagem no 'check-in', para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão".

E lamentou ainda "os possíveis constrangimentos causados aos passageiros", assegurando que iria "desenvolver todos os esforços no sentido de minimizar os impactos que a greve possa causar".

O dirigente do SITAVA Paulo Alexandre disse ainda à Lusa que, além desta paralisação, poderá haver perturbações nos procedimentos de segurança dos aeroportos no dia 01 de janeiro, por os trabalhadores não terem direito a este dia, como havia sido prometido.

"Não vai haver greve, mas possivelmente vai haver atrasos e coisas mais complicadas. Muita gente não vem mesmo trabalhar", adiantou à Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.