Símbolo da fundação de Portugal vendido a empresário

Câmara de Guimarães abdicou da compra da Torre da Alfândega, que dá acesso à muralha que resta dos primórdios da cidade-berço

O monumento onde se lê "Aqui Nasceu Portugal", em Guimarães, foi vendido a um empresário após a autarquia ter abdicado do direito de preferência para a sua aquisição por 190 mil euros.

Segundo noticia esta quinta-feira o Jornal de Notícias, a Torre da Alfândega "vai continuar nas mãos de um proprietário privado" porque, em 2014, a Câmara de Guimarães "não exerceu o direito de preferência pelo imóvel" através do qual se pode "aceder ao cimo da muralha" que resta da antiga fortaleza.

O caso tornou-se conhecido na quarta-feira, quando o deputado municipal Torcato Ribeiro (CDU, na oposição) criticou o executivo por "não se ter antecipado a Domingos Machado Mendes, o empresário que adquiriu os dois únicos acessos à torre".

O vereador da Cultura qualificou a torre como uma propriedade "muito complexa" e disse que vai averiguar a veracidade das denúncias da CDU, porque "os documentos da autarquia" sobre o caso "são contraditórios", adianta o jornal.

Esta é a quarta situação, indica ainda o JN, em que o empresário Domingos Machado Mendes conseguiu comprar terrenos "onde a Câmara tinha intenção de instalar serviços": é proprietário do espaço onde se edificou o complexo desportivo da Veiga de Creixomil, da área onde foram construídos os acessos a um centro comercial e do edifício do antigo centro de saúde da Oliveira, "espaço fundamental à criação de um Campus da Justiça em Guimarães."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.