Símbolo da fundação de Portugal vendido a empresário

Câmara de Guimarães abdicou da compra da Torre da Alfândega, que dá acesso à muralha que resta dos primórdios da cidade-berço

O monumento onde se lê "Aqui Nasceu Portugal", em Guimarães, foi vendido a um empresário após a autarquia ter abdicado do direito de preferência para a sua aquisição por 190 mil euros.

Segundo noticia esta quinta-feira o Jornal de Notícias, a Torre da Alfândega "vai continuar nas mãos de um proprietário privado" porque, em 2014, a Câmara de Guimarães "não exerceu o direito de preferência pelo imóvel" através do qual se pode "aceder ao cimo da muralha" que resta da antiga fortaleza.

O caso tornou-se conhecido na quarta-feira, quando o deputado municipal Torcato Ribeiro (CDU, na oposição) criticou o executivo por "não se ter antecipado a Domingos Machado Mendes, o empresário que adquiriu os dois únicos acessos à torre".

O vereador da Cultura qualificou a torre como uma propriedade "muito complexa" e disse que vai averiguar a veracidade das denúncias da CDU, porque "os documentos da autarquia" sobre o caso "são contraditórios", adianta o jornal.

Esta é a quarta situação, indica ainda o JN, em que o empresário Domingos Machado Mendes conseguiu comprar terrenos "onde a Câmara tinha intenção de instalar serviços": é proprietário do espaço onde se edificou o complexo desportivo da Veiga de Creixomil, da área onde foram construídos os acessos a um centro comercial e do edifício do antigo centro de saúde da Oliveira, "espaço fundamental à criação de um Campus da Justiça em Guimarães."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...