"Simbólico". Costa assina a lei dos feriados em público

É um ato que por regra acontece no recato dos gabinetes. Mas o primeiro-ministro fez questão de o trazer para espaço público

Do recato dos gabinetes para um ato público, assim será a "cerimónia da Referenda da Lei da Assembleia da República que repristina quatro feriados nacionais", que hoje de manhã tem lugar na Sociedade Histórica da Independência de Portugal (SHIP), em Lisboa. O gabinete de António Costa diz ao DN que é um "evento simples", que pretende de "forma simbólica" assinalar a reposição dos quatro feriados que o governo de Passos Coelho retirou em 2013.

O nome pomposo da cerimónia tem tradução fácil. A referenda é o ato em que o primeiro-ministro assina uma lei, depois do chefe do Estado a ter promulgado, para que possa ter execução - neste caso, fazer vigorar de novo os quatro feriados extirpados ao calendário desde 2013: Corpo de Deus, Implantação da República, Todos os Santos e Restauração da Independência.

Apesar de Marcelo Rebelo de Sousa ter advertido "que a nova lei pode, porventura, ter implicações económicas e financeiras não quantificadas", entendeu promulgar, a 18 de março, "em coerência com a posição desde sempre assumida nesta matéria" o decreto que alterou o Código de Trabalho.

À promulgação segue-se a referenda, por norma um gesto burocrático feito no sossego dos gabinetes, que desta vez - "uma situação excecional", como descreve fonte oficial de São Bento - passa para a esfera pública. Enquanto presidente da Câmara de Lisboa, Costa "empenhou-se muito" na reposição dos feriados.

O agora primeiro-ministro, segundo a fonte oficial, "entende que o 5 de outubro e o 1 de dezembro são datas marcantes do país, da nossa identidade e de valores históricos". Tudo somado, quis ainda "assinalar mais um compromisso eleitoral", num tema "que lhe era caro e que sempre apoiou".

A 1 de dezembro de 2014, Costa desejava que aquele fosse "o último dia" em que se festejava a data sem feriado. E ia à História para justificar o seu empenho: "Desde 1862, que o município de Lisboa se junta à Sociedade Histórica para celebrar a independência nacional, data que desde 1910 e até bem recentemente constituiu feriado oficial." O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e a vereação, estão entre os convidados.

Quem aplaude a cerimónia é José Ribeiro e Castro. O ex-deputado do CDS e membro da SHIP sublinhou ao DN o "grande significado de ser público" este ato "e ser feito na SHIP, que é a intérprete da restauração da independência de Portugal".

Ribeiro e Castro recordou que o feriado criado a 12 de outubro de 1910 é "um feriado do Estado conquistado pela sociedade civil" e que a cerimónia de hoje, presidida pelo primeiro-ministro, é também "um reconhecimento da sociedade civil" na luta pela reposição destas quatro datas festivas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.