Sete anos e meio de prisão para homem que abusou da enteada

Os abusos começaram quando a vítima tinha cinco anos e só terminaram quando esta já tinha 14 anos e "começou a resistir aos avanços" do arguido

O Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a condenação de um vigilante de Braga a sete anos e meio de prisão por abuso sexual da enteada durante uma década, tendo os abusos começado quando a menina tinha cinco anos.

"O modo de atuação seguido revela grande audácia, pois não só agiu na casa de morada da família, aproveitando períodos em que permanecia a sós com a ofendida, então menor, ou aproveitando os períodos em que a mulher, mãe da menor, e os seus dois outros filhos se encontravam em casa, mas nos respetivos quartos, a dormir", lê-se no acórdão de 9 de abril, a que a Lusa teve acesso esta segunda-feira.

Segundo o tribunal, numa das ocasiões a menina gritou, o que levou os vizinhos a chamarem a PSP.

A partir daí, os abusos passaram a ocorrer "com menor periodicidade", pois o arguido "começou a ter mais receio".

Mesmo assim, os abusos só cessaram quando a vítima já tinha 14 anos e "começou a resistir aos avanços" do arguido.

O arguido foi condenado por abuso sexual de crianças agravado, um crime punível com até 13 anos e quatro de meses de prisão.

No entanto, o tribunal decidiu fixar a pena em sete anos e meio de prisão, considerando que, a favor do arguido, contam a confissão parcial dos crimes e o facto de se não lhe conhecerem outros comportamentos posteriores de natureza semelhante ou igual à dos autos.

"Ainda há que atender ao decurso do tempo, já que os atos abusivos cessaram há cerca de sete anos, após a menor fazer 14 anos de idade, sendo esta hoje já maior de idade", acrescenta.

O arguido terá também de pagar uma indemnização de 18.980 euros à vítima, por danos patrimoniais e não patrimoniais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.