Bragança : serviço pioneiro garante acesso a medicamentos urgentes à noite

O doente só precisa de um telemóvel para saber qual a farmácia que tem disponível os medicamentos e pode pedir para que lhe sejam entregues ao domicílio

Um doente que recorra aos serviços de urgência do distrito de Bragança durante a noite tem agora a garantia de que os medicamentos que lhe são prescritos estarão disponíveis e com a possibilidade de lhe serem levados a casa gratuitamente.

Os novos serviços surgem no âmbito do projeto SAFE - Serviço de Assistência Nacional Farmacêutica, anunciado em julho pelo Ministério da Saúde, e que começou a funcionar esta semana envolvendo as entidades ligadas à Saúde e todas as farmácias deste distrito, que é o primeiro de Portugal a experimentar este projeto.

O doente só precisa de um telemóvel para saber qual a farmácia que tem disponível os medicamentos que lhe são prescritos nos serviços de urgência, podendo optar por aquela onde pretende aviar a receita ou pedir que lhe seja entregue ao domicílio.

O projeto destina-se apenas a medicamentos prescritos durante o período noturno, em contexto de urgência, nos quatro serviços existentes na região, nomeadamente as urgências médico-cirúrgicas de Bragança e Mirandela, e as básicas de Macedo de Cavaleiros e Mogadouro, segundo disse à Lusa a diretora clínica da Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, Eugénia Parreira.

A ULS do Nordeste e as farmácias de todo o distrito entram "como os organismos para a implementação do projeto, com o apoio da ARS (Administração Regional de Saúde) do Norte, dos serviços partilhados do Ministério da Saúde e da Associação Nacional de Farmácias para a operacionalização no terreno.

Este serviço funciona todos os dias entre as 21:00 e as 9:00 e domingos e feriados durante 24 horas.

A ULS do Nordeste elaborou uma lista com os 14 medicamentos mais prescritos nos quatro serviços de urgência e que vão de antibióticos a antipiréticos, anti-inflamatórios, anti-histamínicos, antieméticos.

Para o serviço funcionar, o doente tem de ter disponível um telemóvel, no qual vai receber uma mensagem, quando lhe é prescrito, nas urgências, algum destes medicamentos, tendo depois de ligar para o número gratuito 800241400.

O atendimento é feito por farmacêuticos que irão dar a indicação de quais as farmácias de serviço (turno) ou em disponibilidade que tem o medicamento disponível e o doente pode optar pela mais próxima da sua residência, por exemplo, e também pedir que lhe seja entregue ao domicílio a custo zero.

O que é importante neste novo serviço, na opinião da farmacêutica Rita Domingues, "é a pessoa saber que vai ter o medicamento disponível" porque, como disse à Lusa, "a pior coisa que pode acontecer é uma farmácia não ter o medicamento que o doente precisa tomar e este ter de andar pata trás e para a frente".

Na farmácia de Vinhais, a cerca de 30 quilómetros de Bragança, onde faz muitas noites em serviço de disponibilidade (não presencial) já aconteceu "às duas ou três da manhã, um doente pedir um medicamento e não ter".

O projeto "SAFE" informa o doente das farmácias onde os medicamentos que lhe são prescritos estão disponíveis e simultaneamente faz uma espécie de reserva até chegar com a receita.

Para a distribuição ao domicílio foi criada uma equipa própria de motoristas com viaturas adaptadas e devidamente e com a identificação do projeto "SAFE".

A farmacêutica acredita que este "tem todas as capacidades para se tornar num projeto de sucesso", realçando a importância numa região com as características da de Bragança, onde as distâncias são grandes.

O projeto está "ainda na fase zero", indicou a diretor clínica da ULS do Nordeste, Eugénia Parreira, explicando que serão feitos ajustamentos no futuro, nomeadamente a nível tecnológico e na rede de ligação entre as entidades envolvidas.

Aos doentes, serão os médicos nas urgências quem vai explicar, nesta fase inicial, o que se está a passar, segundo ainda a responsável.

As partes envolvidas garantem que o mesmo não visa substituir nenhum serviço, mas complementar, em resposta à associação que está a ser feita na região entres este projeto e as alterações aos horários que podem deixar vários concelhos sem farmácia durante a noite.

A diretora clínica é também médica internista e garantiu que a experiência que tem é de que "80% ou mais" daqueles que recorrem aos serviços de urgência durante a noite "são indivíduos perfeitamente autónomos" sem dificuldade em lidar com as exigências do projeto.

De acordo com a médica, "há uma percentagem residual de indivíduos mais idosos, mas ou vêm acompanhados por familiares ou com um funcionário do lar e também há sempre um telemóvel que está disponível".

"Contrariamente ao que muitas vezes se pensa, pessoas muito idosas que venham durante esse período da noite sozinhas ao serviço de urgência e que não tenham grande apoio, são casos absolutamente residuais", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.