Imobiliária diz que "no limite" terrenos na Arrábida são seus por usucapião

A Selminho, imobiliária de Rui Moreira e seus familiares, reivindica em tribunal o direito de propriedade do terreno da Arrábida "por usucapião", mesmo que fique provado que o terreno é da Câmara do Porto.

Na ação judicial interposta pela Câmara do Porto, em junho, na qual pede a declaração de nulidade da posse do terreno na Calçada da Arrábida pela Selminho, consultada hoje pela Lusa, os advogados da imobiliária alegam que, "no limite", a empresa "adquiriu o direito de propriedade" sobre os 2.260 metros quadrados de terreno "por força da usucapião, com efeitos reportados à data de julho de 2001".

Esta ação da Câmara do Porto contra a Selminho e contra o casal que vendeu o terreno à imobiliária em 2001, dois meses depois de o ter registado em Montalegre, surge depois de o jornal Público revelar, a 18 de maio, que um técnico superior da autarquia andou a estudar os direitos de propriedade dos terrenos onde a Selminho quer construir na Calçada da Arrábida, concluindo que uma parcela de 1.661 metros quadrados que integra a área apresentada para construção é, afinal, municipal.

De forma a esclarecer a "existência ou inexistência de direitos de propriedade conflituantes sobre o mesmo imóvel", a Câmara pediu um parecer externo, que ficou concluído em fevereiro e recomendava à Câmara que intentasse no tribunal uma "ação de simples apreciação" para "dirimir o conflito entre direitos de propriedade exclusivos".

Nesse parecer, datado de 20 fevereiro e a que a Lusa teve acesso, os advogados Pedro Alhinho e João Faria notam que, "a comprovarem-se verdadeiras as declarações" do casal que vendeu o terreno à Selminho, "teria decorrido o tempo necessário à aquisição da propriedade por usucapião e inerente inscrição do prédio no registo predial", pelo que a compra da Selminho "seria também válida e legal".

Se as declarações "não forem verdadeiras", então "não terá havido aquisição por usucapião, sendo a escritura de justificação nula e ineficaz" e "a transmissão subsequente considerar-se efetuada por não proprietário", acrescentam.

Nesse relatório, os juristas referem ainda que, "independentemente da invalidade da escritura [...] o prazo decorrido desde a transmissão de propriedade" para a Selminho é "suficiente" para que a empresa "tenha adquirido ela própria por usucapião o mesmo direito de propriedade".

"Neste caso, o prazo necessário para verificação de usucapião, mesmo acrescido da metade, seria de 15 anos, tendo-se completado em 31 de julho de 2016", observam.

Além de pedir em tribunal que seja declarada a nulidade da escritura que transferiu por usucapião esses 1.661 metros quadrados de terreno municipal para a posse do casal, a autarquia pede também a nulidade das "transmissões subsequentes", ou seja, o contrato de compra e venda entre o casal e a Selminho.

Na contestação que a Lusa consultou, a Selminho diz que "não tem (tinha) nenhuma razão para duvidar das declarações vertidas na escritura" de compra e venda do terreno, tendo sempre atuado "convicta de que os prédios pertenciam" ao casal e considera que "nenhum vício haverá a apontar à escritura". Contudo, salienta que, "caso uma ou algumas declarações" nessa escritura "não correspondam à verdade (...), desse facto não poderia redundar, direta e imediatamente, a nulidade ou a ineficiência total desse ato jurídico".

E garante que "não usou de qualquer expediente ou artifício, físico ou moral, para adquirir a posse do prédio dos autos" e que desconhecia "por completo que poderia lesar um eventual direito de um qualquer terceiro, desde logo o município do Porto".

A imobiliária salienta também que, desde que assinou o contrato de compra e venda do terreno, sempre "executou, promoveu e levou a cabo um conjunto de atos materiais e imateriais sobre o imóvel", como estudos geológicos, arquitetónicos, paisagistas e de construção para "possibilidades de exploração e/ou comercialização" do mesmo, e que a autarquia "nunca questionou, contestou ou disputou, direta ou indiretamente" esse seu direito de propriedade, mesmo nos três processos judiciais intentados.

"Ou seja", alegam os advogados, a Câmara do Porto e a Selminho "têm vindo a litigar, comunicar, negociar ao longo de mais de 15 anos, sem que nunca tenha sido levantada qualquer questão acerca da qualidade de proprietária da segunda ré [imobiliária] em relação ao imóvel dos autos".

E a câmara "não pode vir agora, passados mais de 16 anos, de forma absolutamente gritante, adotar uma conduta diametralmente oposta ao seu comportamento reiterado passado, violando a confiança e as expectativas que sempre cultivou e gerou junto" da Selminho, sustentam os advogados José Ricardo Gonçalves, Pedro Ferreira de Sousa e Fábio Nave Moreira.

No âmbito do Plano Diretor Municipal (PDM), que se encontra em vigor desde 2006, o terreno em causa, localizado na Calçada da Arrábida, foi classificado como escarpa, o que levou a imobiliária a avançar para tribunal contra a Câmara.

Um dos processos judiciais terminou, em 2014, já no mandato de Rui Moreira, com um acordo entre as partes, no qual a Câmara ou devolve a capacidade construtiva ao terreno, no âmbito da revisão do PDM, ou será criado um tribunal arbitral para definir um eventual direito a indemnização à empresa.

A Câmara do Porto e a Selminho adiaram depois por um ano o acordo que permite à empresa do presidente da autarquia recorrer a um tribunal arbitral para pedir uma indemnização ao município devido a um terreno na Arrábida.

A informação consta da "2.ª Adenda ao Compromisso Arbitral", a que a Lusa teve acesso em 13 de março, e remete para "25 de março de 2018" -- data em que "deverá estar concluída" a revisão do Plano Diretor Municipal -- a hipótese de a empresa reivindicar uma compensação financeira relacionada com a capacidade construtiva do terreno.

Numa terceira adenda, as partes acordam que, em caso de recurso a um tribunal arbitral, o juiz do mesmo será nomeado pelo Tribunal Administrativo e Fiscal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.