Seis atletas "juniores" estrangeiros notificados para sair do país

O SEF identificou 83 atletas estrangeiros do futebol, futsal e andebol em cinco distritos do norte do país. Verificada a situação documental, seis deles foram notificados para abandonar Portugal

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) levou, ontem, a cabo diversas ações de fiscalização que tiveram como objetivo principal a verificação da situação documental dos cidadãos estrangeiros que se encontram a trabalhar como atletas nas diversas associações desportivas, nomeadamente o futebol, o futsal e o andebol.

Segundo o comunicado do SEF, foram desencadeadas ações inspetivas em cinco distritos do norte do país, nas quais estiveram envolvidos 23 inspetores. A operação iniciou-se, durante a manhã, no distrito de Braga, prolongou-se durante todo o dia nos outros distritos, tendo finalizado em Bragança.

Foram identificados 83 cidadãos estrangeiros, de diferentes nacionalidades, tendo sido notificados a abandonar voluntariamente Portugal seis cidadãos estrangeiros que se encontravam em situação de permanência ilegal no país.

Das ações resultou o levantamento de procedimentos contraordenacionais aos clubes que tinham ao seu serviço cidadãos estrangeiros sem que estivessem habilitados com o necessário título jurídico que lhes permita trabalhar ou residir em Portugal, concluiu o SEF.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".