Segurança Social tem hoje situação "bastante mais equilibrada"

"Este ano, pela primeira vez desde há muitos anos, o Orçamento do Estado não teve de financiar o défice da Segurança Social", disse o primeiro-ministro

O líder do PS, António Costa, disse na terça-feira à noite que, "pela primeira vez desde há muitos anos", o Orçamento do Estado não financiou este ano "o défice da Segurança Social", em situação "bastante mais equilibrada".

"Este ano, pela primeira vez desde há muitos anos, o Orçamento do Estado não teve de financiar o défice da Segurança Social porque as contribuições" do próprio sistema "foram suficientes" para o "sustentar", afirmou, numa sessão com militantes e simpatizantes do PS, em Évora, na terça-feira à noite.

Segundo António Costa, foi possível atingir esta situação da Segurança Social, que é hoje "bastante mais equilibrada" do que "há dois anos e meio", quando o PS começou a governar, a par de várias medidas implementadas.

"Não obstante termos reposto as pensões, aumentado as prestações sociais tradicionais, criado novas regras para o abono de família" e "uma nova prestação social para a inclusão. Mesmo assim temos hoje uma Segurança Social mais equilibrada", realçou.

Na sessão, no âmbito da sua recandidatura à liderança do partido e para apresentar a sua moção "Geração 20/30", António Costa explicou que a melhoria da Segurança Social se deve à "dinâmica de criação de emprego".

E, sublinhou o líder socialista, para que o país possa ter "uma Segurança Social sustentável para as pensões de hoje e para as pensões de amanhã" é preciso "ter mais e melhor emprego" e "continuar a diversificar as fontes de financiamento" do próprio sistema, assim como "aumentar a população".

Na sua intervenção inicial na sessão, a única parte aberta aos jornalistas, o secretário-geral do PS explicou que a questão demográfica é um dos pilares da sua moção "Geração 20/30" e determinante para o desenvolvimento do país, a par das alterações climáticas, da sociedade digital e do combate às desigualdades.

Abordando os desafios demográficos que Portugal enfrenta, Costa alertou que, se nada for feito, o país irá "perdendo população", pois, com a atual trajetória de envelhecimento e a diminuição dos índices de fertilidade, "projeta-se que, em 2060", os habitantes sejam "cerca de sete milhões".

Para combater este cenário, defendeu, é preciso criar no país "condições para que possa aumentar a natalidade" e para que "as novas gerações sintam confiança no seu futuro e tenham condições para poderem assumir ter família e ter filhos".

"E, para que isso aconteça", continuou, as novas gerações "têm de poder aceder a habitação em condições acessíveis, sem terem de se endividar", e "têm de ter a oportunidade, não só de encontrar trabalho, mas trabalho digno, pago a preço justo, o que significa que não pode ser trabalho precário".

"Sem casa e com trabalho precário ninguém constitui família" e, se "não constituem família, ninguém tem filhos", frisou.

Além disso, assumindo tratar-se de uma "dimensão que é politicamente pouco correta", Costa argumentou que é necessária uma "política de imigração ativa", atraindo estrangeiros para trabalharem em Portugal e criando emprego qualificado que "trave a fuga de jovens para o estrangeiro que, durante os quatro anos de governação da direita, o país sofreu".

"Não queremos fechar as fronteiras e a aprendizagem lá fora é importante. Mas há uma coisa que não confundimos, que é a liberdade de poder escolher ter outras experiências", enquanto "outra coisa completamente diferente é a necessidade de partir por não ter oportunidade na nossa terra de desenvolver a realização pessoal a que temos direito", assinalou.

As eleições diretas para o cargo de secretário-geral do PS decorrem esta sexta-feira e sábado, seguindo-se, de 25 a 27 deste mês, na Batalha (Leiria), o 22.º Congresso Nacional do partido.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.