Segunda Circular cortada em ambos os sentidos devido a despiste de camião

Acidente envolveu vários veículos ligeiros e pesados. Não há previsão para reabertura da estrada, segundo a PSP.

Uma pessoa ficou hoje de manhã ferida num acidente que envolveu três veículos pesados e vários ligeiros na Segunda Circular, sentido Sintra/Lisboa, encontrando-se às 09:30 o trânsito cortado em ambos os sentidos, segundo a PSP.

Mais de três horas após o acidente, ainda não há previsão para reabertura da estrada, segundo a PSP. "A estrada vai continuar cortada ainda por muito tempo uma vez que a via tem de ser limpa, pois houve derrame de combustível e óleo, ainda estamos à espera de uma grua para conseguir retirar o camião. O separador central tem de ser reparado", adiantou uma fonte da PSP.

Uma fonte da PSP adiantou à Lusa que o alerta para o acidente, que ocorreu junto à Escola Superior de Comunicação Social, em Benfica, Lisboa, foi dado cerca das 06:20. "Temos a registar um ferido ligeiro que estava encarcerado e que foi levado para o Hospital de Santa Maria", indicou.

"Na sequência deste acidente ocorreu no sentido Lisboa/Sintra um outro entre dois veículos ligeiros (que se resolveu com declarações amigáveis entre os condutores) e de seguida também no sentido Lisboa/Sintra um outro que envolveu dois pesados, que ainda estão no local", disse, acrescentando que todos os sinistros ocorreram na zona da Escola Superior de Educação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.