Caos no aeroporto. Duas horas de espera para entrar em Lisboa

A ministra da tutela impôs um tempo máximo de espera 40 minutos no controlo de passageiros, que não é cumprido

Longas e demoradas filas de espera - algumas de duas a três horas, segundo vários testemunhos ouvidos pelo DN - para passar o controlo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa, são o primeiro cartão de visita do país mostrado aos milhares de turistas que ali têm aterrado. A direção do SEF diz que são casos pontuais, mas quem trabalha no terreno diz que o número de funcionários é insuficiente face ao aumento exponencial de visitantes.

As operadoras turísticas já tinham alertado antes do início do verão para a falta de meios do SEF, evidente há vários meses. Com a chegada do verão e novos voos a entrar (EUA, Canadá, China, Togo, Costa do Marfim), o aumento de passageiros em mais de 20% em relação ao verão passado - uma tendência que se tem verificado nos últimos anos (ver infografia) - o cenário agravou-se. "A situação está muito pior", avança Acácio Pereira o presidente do Sindicato da Carreira de Inspeção e Fiscalização do SEF. Em maio último, numa conferência organizada por esta estrutura sindical, o já constatado caos nas chegadas do aeroporto Humberto Delgado foi tema de debate, com Francisco Calheiros, da Confederação do Turismo Português (CTP) a classificar a situação de "intolerável".

Contactado agora pelo DN este responsável, que acompanha de perto os fluxos turísticos, afirma que "o balanço está longe de ser positivo". Diz que a CTP foi informada "de que foram recrutados novos funcionários, mas a medida não está a produzir resultados satisfatórios". Lembra que "é preciso ter em conta que o fluxo de chegadas fora do Espaço Schengen está a aumentar - estamos na época alta e o mercado dos EUA está a crescer - e a tendência é para incrementar os movimentos com as novas rotas para a China". Considera "prioritário encontrar uma solução urgente" e conta que os turistas estão a reagir mal: "Ninguém gosta de, depois de uma viagem longa e cansativa, ficar retido no aeroporto durante duas horas. É preciso não esquecer que o Turismo vive de experiências e esta não é a seguramente a melhor para quem nos visita".

Acácio Pereira reitera o que tem vindo a defender nos últimos meses: "é necessária a admissão urgente de 200 novos inspetores para reforçar, não só o aeroporto de Lisboa, como também outras áreas sensíveis como a investigação criminal". Como solução de recurso a direção do SEF destacou para o aeroporto os 45 estagiários, que ainda não completaram o curso, mas, garante o sindicato, "a sua presença pouco adianta pois não têm ainda competências atribuída".

No início do ano, em janeiro, a ministra Constança Urbano de Sousa definiu os "Objetivos Estratégicos do ministério da Administração Interna 2017/2019" e uma das "metas operacionais" do SEF para este ano é "fixar em menos de 40 minutos o tempo máximo de espera de processamento no controlo de fronteiras". Questionada sobre o ponto de situação nesta altura, quando já passou mais de metade do ano, o gabinete da governante remeteu "o balanço" para agosto.

A direção do SEF diz que "presentemente tem cerca de 230 elementos a efetuar o controlo da fronteira neste aeroporto, no ano passado eram 150 e no verão 195". Se descontarmos aos 230 os 45 estagiários, ficam 185, menos 10 que em 2016. Por outro lado, o SEF refuta a ideia de que as demoras e longas filas sejam um padrão. Desde início do ano, alega fonte oficial, "houve apenas 7 ocasiões pontuais em que o tempo médio de espera ultrapassou as duas horas. Registaram-se muitos dias em que o tempo médio de espera foi inferior a 40 minutos". Numa posição contracorrente conclui: "o SEF tem vindo a corresponder ao aumento do tráfego aéreo e do fluxo de passageiros verificado, cumprindo a missão que lhe está confiada enquanto serviço de segurança". E revela que pediu, de facto, um concurso para 200 novos inspetores, que aguarda autorização das Finanças.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.